Sertânia-PE-Sob a Proteção
de Nossa Srª. da
Imaculada da Conceição

Usuários Online

Nós temos 40 visitantes online

Cordeiro & Caldas

Para reflexão

Perfil

 

Engenharia Elétrica

Visitas

1455425
HojeHoje211
OntemOntem1008
Esta SemanaEsta Semana211
Este MêsEste Mês35375
TodasTodas1455425

Luiz da Silva Dodô

Banner

Raimundo Sá Laet (Mundico)

Banner

Marcos Cordeiro

Banner

Waldemar Cordeiro

Banner

 

teste

Ademir

Caprino-ovinocultura
Veja ! Consultório Agricola, Colostro, Culinária Bodistica, Vozes dos Bichos, Curiosidades do Reino Animal, Regiões Polares e Coletuvos de Plantas... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lívio Chaves   
Seg, 27 de Abril de 2015 09:07

Consultório agrícola: Consumo dos próprios ovos

Falta de cálcio pode levar galinhas a comerem os ovos que põem

 

 Shutterstock
Incluir minerais na dieta das aves evita que elas comsumam dos próprios ovos

O que fazer para que as galinhas parem de comer os próprios ovos?

A falta de cálcio no organismo é um motivo que leva as galinhas a consumirem os próprios ovos. Para evitar essa prática, assegure a inclusão do mineral na dieta da criação. Há no varejo rações disponíveis já acrescidas de dosagem de cálcio necessária para a ave. Em lojas de produtos agropecuárias também podem ser compradas farinhas de ostra ou de osso, que são opções para adicionar cálcio à alimentação das galinhas. Se preferir, o criador também pode preparar o complemento, utilizando cascas de ovos. Primeiro, deixa-as secar na sombra para conservar o nutriente e, em seguida, triture-as em um liquidificador. Elas também podem ser socadas com um pilão para se transformar em farinha e, então, misturadas à ração. No entanto, há casos de galinhas ainda continuarem a manter o hábito de comer os próprios ovos, o que será preciso de uma ação mais drástica. Solicite a um profissional com experiência para realizar a debicagem – um processo delicado de corte da ponta do bico que deve ser feito com destreza para não machucar a ave.

 


Manejo Sanitário colostro ( Gado de Leite )

 


Após o nascimento, o bezerro deve permanecer junto com a mãe por pelo menos 24 horas. Sabemos que o bezerro junto com a mãe, mama entre 12 a 15 vezes ao dia. Estas mamadas permitem que o colostro passe muitas vezes pelo aparelho digestivo aumentando a superfície de contato do colostro com a parede intestinal favorecendo assim a absorção de imunoglobulinas (anticorpos). Por outro lado, podemos fornecer o colostro de forma artificial oferecendo dois litros  duas vezes por dia com intervalo próximo de 12 horas. O importante é que o bezerro ingira em torno de 10% do seu peso em colostro, nas primeiras 24 horas.  O bezerro nasce sem proteção de anticorpos contra os agentes de doenças. A forma de adquirir estes anticorpos (defesa), é ingerindo o colostro. O colostro é o primeiro produto produzido pela glândula mamária no inicio da lactação, é uma  rica fonte destes anticorpos que foram produzidos nos dois últimos meses de gestação. Após o nascimento, é imperativo que o bezerro ingira o colostro o quanto antes para que ele adquira estes anticorpos. A capacidade de absorver os anticorpos fornecidos pela mãe no interior do aparelho digestivo do bezerro é aproximadamente nas primeiras 36 horas e esta capacidade de absorção tem como pico máximo entre seis e 10 horas, quando começa a diminuir gradativamente até aproximadamente 36 horas.  A partir deste ponto o colostro continua sendo um alimento muito rico e deve ser aproveitado pelo bezerro e outros do mesmo plantel que são tratados  de forma artificial, porém perde a importância como fonte de anticorpos.
    De outra forma uma das funções do colostro é ajudar na primeira descarga intestinal, isto é, ajuda a expelir as primeiras fezes que é o chamado mecônio. O mecônio são fezes amarelas pegajosas de difícil eliminação portanto sendo o colostro um leve laxante vai ajudar nesta eliminação. Neste período devemos interferir somente se houver necessidade. Na maioria das vezes, esta intervenção é desnecessária. Uma das vantagens da maternidade é a possibilidade de observação do recém nascido e qualquer problema que surgir neste local facilita o socorro.
    O excesso colostro pode e deve ser dado para os outros bezerros. Neste caso ele não tem função como fornecedor de anticorpos pois bezerros mais velhos perdem a capacidade de absorção dos anticorpos mas, como alimento é até mais rico que o próprio leite. É bom lembrar que como o colostro tem uma função laxativa, para fornecer aos outros bezerros o melhor é diluir em outra quantidade de leite para não causar meles de desarranjo aos bezerros mais velhos.
 
 
 CULINÁRIA BODISTICA

Cabrito Ensopado com alecrim



Ingredientes

 

- 800 g de cabrito

- 2 cebolas picadas

- 4 dentes de alho

- 8 colheres de sopa de azeite

- 400 ml de vinho branco

- 1 colher de sopa de alecrim fresco

- 2 batatas em cubos

- 2 cenouras fatiadas

- 1 e 1/2 xícara de ervilhas frescas

- 500 ml de polpa de tomate

- Suco de 1 limão

- Sal grosso

- Pimenta-do-reino

 

 

 

Modo de Preparo

 

- Tempere o cabrito com sal, pimenta e sumo de limão. Doure a carne em 2 colheres de azeite e reserve a carne. Refogue cebola e os alhos no resto do azeite. Adicione a carne, regue com o vinho branco. Acrescente o alecrim, a batata, a cenoura e a ervilha.

- Adicione a polpa de tomate e cozinhe por 30 minutos, com a panela tampada. Sirva quente. 

 

 

CONHECENDO AS VOZES DOS BICHOS

As vozes dos bichos recebem os seguintes nomes:

 

 Voz Animais Lingua Portuguesa Onomatopeias Som Palavras

Arrulho: pombo
Balido: ovelha, carneiro
Barrido: elefante
Berro: cabra, carneiro
Cacarejo: galinha
Chilrear: pássaros
Coaxar: sapo, rã
Cricri: grilo
Ganido: cachorro
Gorjeio: pássaros
Grunhido: porco, javali
Guincho: macaco, gavião
Latido: cachorro

 Voz Animais Lingua Portuguesa Onomatopeias Som Palavras

Miado: gato, onça
Mugido: boi
Relincho: cavalo
Rosnado: cachorro, lobo, raposa
Uivo: cachorro, lobo
Zumbido: abelha, vespa
Zurro: burro

 

 

 

CURIOSIDADES DO REINO ANIMAL – 1



a) Um camelo consegue beber 120 litros de água em 10 minutos. Ele retém água para 8 dias. Porém, a girafa e o rato podem viver sem água mais tempo que o camelo.
b) As girafas atingem 7 metros de altura. Apesar do tamanho, o seu pescoço tem apenas 7 ossos, o mesmo número de ossos que o pescoço do homem. A cabeça da girafa fica a mais de 2 metros de distância do coração. Para fazer o sangue subir, o coração precisa ser muito forte. O coração da girafa é 43 vezes maior que o do homem.
c) O porco-espinho tem, em média, cerca de 30.000espinhos. Ele é um excelente nadador, porque os espinhos o ajudam a flutuar.
d) As grandes orelhas do elefante servem para resfriar o animal. Quando o sangue
passa pelos vasos próximos à superfície das orelhas, se resfria com o vento. Além disso, abanar as orelhas também ajuda a refrescar.
e) A carapaça das tartarugas é a própria pele que engrossou e ficou dura. Elas não
conseguem sair da carapaça, mas colocam a cabeça e as patas para fora.



CURIOSIDADES DO REINO ANIMAL – 2

 

a) A anta é maior mamífero terrestre do Brasil. Pode atingir até 2 metros de comprimento e 1 metro de altura, chegando a pesar 300 quilos.
b) Cada salto em distância do canguru alcança 10 metros, enquanto o sapo pula até 5,5 metros. Em termos de altura, o canguru alcança 2,7 metros, menos que o puma, que atinge 3,1 metros.
c) O beija-flor bate as asas 90 vezes por segundo, quatro vezes mais que a libélula.
Ele voa de frente, de costas e até de ponta-cabeça. Procura néctar em cerca de 2.000 flores
por dia.
d) A preguiça movimenta-se lentamente durante a noite e dorme de dia ( mais de 18 horas ). Tem um pescoço que pode até 180 graus. Assim, não precisa mexer o corpo para olhar o que está acontecendo ao seu redor.
e) Os morcegos são os únicos mamíferos que sabem voar. Eles não são cegos, embora tenham dificuldade de enxergar em locais mal-iluminados, mesmo sendo animais de hábitos noturnos. Usam o nariz em forma de ferradura para emitir ultra-sons que os ajudam a detectar obstáculos em sua trajetória de vôo e desviar-se deles.



CURIOSIDADES DO REINO ANIMAL
- 3



a) Os dois únicos mamíferos ovíparos, isto é, que botam ovos, são o ornitorrinco e a equidna, os quais vivem exclusivamente na Austrália.
b) Outro animal exclusivo da fauna australiana é o casuar, uma ave corredora, com asas curtas e patas fortes, semelhante ao avestruz.
c) A preguiça é um mamífero curioso, que tem o corpo coberto por pelos grossos e
longos, que vive nas matas, movimentando-se nas árvores muito lentamente ( daí o seu nome ). Dorme de dia e movimenta-se à noite, alimentando-se de folhas das árvores.
d) Os morcegos são os únicos mamíferos que voam. Eles não são cegos, embora tenham dificuldade de enxergar e tenham hábitos noturnos. Eles usam o nariz para emitir ultrassons que os ajudam a detectar obstáculos em sua trajetória. Essas vibrações atingem os objetos e voltam em sua direção, permitindo avaliar o seu tamanho e localização.
e) O pica-pau é uma ave com ouvido muito apurado, que consegue localizar as larvas de insetos dentro do tronco e galhos das árvores. Então fura a árvore no ponto certo, dando repetidas bicadas e abrindo um buraco, que lhe permite introduzir a língua e apanhar a larva



CURIOSIDADES DO REINO ANIMAL
- 4



a) O maior ovo é o do avestruz, que mede 15 - 20 cm e pesa 1,2 kg, equivalente a duas dúzias de ovos de galinha; enquanto o menor ovo é o do beija-flor, com 1,2 cm.
b) As cobras comem a cada 15 dias, em média. Elas demoram todo esse tempo para comer de novo porque a sua digestão é muito lenta, já que elas engolem suas presas inteiras,sem mastigar.
c) Conforme a espécie, uma lacraia ou centopéia tem de 28 a 354 patinhas!
d) Testes feitos por cientistas com diversos animais, mostram que o chimpanzé e o golfinho são os mais inteligentes.
e) O falcão voa bem alto e possui excelente visão. Quando ele avista uma presa, se lança sobre ela num vôo tão rápido que chega a atingir 300 km/hora!
f) As formigas-correição são conhecidas por saírem de seu ninho em bandos enormes, que caminham em fileira, atacando e devorando todos os pequenos animais que encontram, tais como: lagartas, lesmas, grilos, baratas, aranhas, escorpiões, etc.



CURIOSIDADES DO REINO ANIMAL
- 5



a) As formigas-correição costumam sair do formigueiro em bandos enormes, com milhares de indivíduos que desfilam, durante horas, atacando e devorando todos os pequenos animais que encontram, tais como: lagartas, lesmas, grilos, baratas, aranhas, escorpiões, etc.

b) O cavalo-marinho é um pequeno peixe com aparência de um cavalo. Curiosamente, a fêmea deposita os ovos ( em número de 200 - 400 ) em uma bolsa ou saco abdominal do macho, onde são incubados. Portanto, o macho é que fica grávido.


c) O louva-deus, apesar da sua atitude que lembra uma pessoa em oração, é um inseto predador de outros insetos. Algumas espécies chegam a praticar o canibalismo, não sendo raros os casos em que a fêmea, de tamanho maior, devora o macho após a cópula.


d) Quando em perigo, os elefantes formam um círculo, com os mais fortes na frente,
protegendo os mais fracos.
e) Toda as cobras produzem uma substância tóxica, porém poucas espécies possuem a capacidade de injetá-la porque não possuem dentes para isso. O veneno misturado à saliva ajuda na digestão das presas engolidas. As cobras que conseguem injetar o seu veneno são consideradas peçonhentas. No Brasil, a jararaca é responsável por 85% dos casos de picada em seres humanos. Depois, vêm a cascavel e a coral.



CURIOSIDADES DO REINO ANIMAL
- 6



Fotos de Stock: Reino animal. Imagem: 14225143

a) O animal que vive mais tempo é a tartaruga de Galápagos, que pode viver até 360
anos.
b) O animal mais veloz na terra é o guepardo, que pode atingir a velocidade de 100 Km/hora. O mais veloz no ar é o falcão peregrino, capaz de mergulhar à velocidades de 300 Km/hora.


c) O animal de língua mais comprida é o tamanduá, cuja língua pode medir até 50 centímetros. Ela libera um líquido doce que serve de isca para atrair formigas e cupins. Sua boca, no entanto, tem apenas 2,5 centímetros de largura.
d) O animal mais fedido é o zorrilho africano; quando se sente ameaçado, ele esguicha um líquido mal-cheiroso que provém de suas glândulas anais.
e) A rêmora é um pequeno peixe que possui, na parte superior da cabeça, uma placa com várias ventosas, utilizadas para sua fixação em animais maiores ( baleia, tartarugas e outros peixes, como cação e tubarão ) e até mesmo em barcos. As rêmoras são assim transportadas sem despender nenhum esforço.



CONHECENDO AS REGIÕES POLARES



Chamam-se pólos terrestres cada um dos pontos em que o eixo de rotação da Terra
encontra sua superfície. Distinguem-se os pólos norte e sul.
Na região polar norte não há continente, somente uma área do Oceano Ártico permanentemente congelado, apesar de incluir parte da Groenlândia. Já na região polar sul fica a Antártida, um continente maior que o Brasil. No inverno, por causa do congelamento do mar vizinho, a parte sólida aumenta de tamanho, ficando quase do tamanho da África.
Na região polar norte vive uma pequena população humana nativa - os esquimós, que constroem casas com blocos de gelo, chamadas iglus. Nessa região também vivem ursos polares, assim como focas, morsas e baleias.
Em contraste com a região polar norte, a Antártida é um continente gelado rodeado pelo oceano, em parte também congelado. Aí vivem os pingüins, assim como o krill, semelhante ao camarão, que serve de alimento para animais maiores, como focas e baleias.
Na região polar sul praticamente não há noites no verão. Já no inverno, é o dia que
não amanhece. Nas áreas próximas ao pólo sul, o sol brilha por seis meses consecutivos; mas em compensação, escurece em maio e só amanhece em outubro.
Por outro lado, no pólo norte o sol nasce em março e só se põe em setembro.



CONHECENDO SUBSTANTIVOS COLETIVOS DE PLANTAS



O substantivo representa a palavra que nomeia os seres de uma forma geral1. Algodoal - algodoeiros
2. Arboreto - árvores cultivadas
3. Bananal - bananeiras
4. Cacho - uvas, bananas
5. Cafezal - cafeeiros
6. Eucaliptal - eucaliptos
7. Feixe - capins
8. Flora - plantas
9. Floresta - árvores
10. Folhagem - folhas
11. Gramado - gramas
12. Laranjal - laranjeiras
13. Penca - flores, frutas
14. Pomar - árvores frutíferas
15. Raizame - raízes
16. Ramagem - ramos
17. Ramalhete - flores
18. Renque - árvores enfileiradas
19. Réstia - alhos, cebolas
20. Trigal - plantas de trigo

 
Veja ! Equinocultura, Conhecimentos Gerais em : Adjetivos Pátrios, Reino Mineral, Parônimos, Reino Vegetal, Adjetivos e Reino Vegetal... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lívio Chaves   
Qui, 23 de Abril de 2015 09:50

 EQUINOCULTURA

CUIDADOS COM O POTRO RECÉM NASCIDO

 

 
Nesta terceira e última parte serão discutidos os processos que levam á interrupção da unidade égua-potro. Estes fatores poderão ter origem na égua ou no potro neonato, através de problemas infecciosos ou não, mas sempre afetando negativamente a sobrevida principalmente do potro. Este será o foco deste artigo, a identificação do potro de alto-risco, suas causas e possíveis tratamentos na primeira semana de vida.
 
 
 
 

IDENTIFICAÇÃO DO POTRO DE ALTO RISCO
 
a) Condições Maternas
- As condições maternas predisponentes poderão ser de origem infecciosa. Estas infecções poderão ser virais ou bacterianas, causando infecção sistêmica e produzindo toxinas que passam a barreira placentária e são nocivas para o feto. Poderão ocorrer também focos localizados, como placentite, que levam a uma infecção fetal e falta de circulação e oxigenação na placenta resultando em hipóxia do feto, levando ao óbito prematuro do neonato.
- A falta de leite da égua ou lactação prematura poderá levar á falta de ingestão adequada de anticorpos e conseqüentemente o potro ficará mais vulnerável a infecções.
- Um quadro de anemia materna prejudica o desenvolvimento fetal além de falha na oxigenação.
- Outros fatores maternos que poderão levar a um quadro de alto-risco são a administração de drogas abortivas ou supressoras, traumas á barreira placentária e seus vasos sanguíneos, colocando o sangue do feto em contato com o sistema imune materno, stress por viagens e manejo inadequado.

b) Condições do parto
- As distocias levam a traumas diretos ou indiretos no potro, asfixia neonatal e hemorragias intrcranianas.
- Um cordão umbilical curto poderá se romper antes da saída do feto e sua primeira respiração levando á asfixia. Um cordão longo poderá se enrolar a algum membro e também se romper internamente, levando á mesma situação.
- O descolamento prematuro da placenta causa falha na circulação sanguínea e asfixia. Uma placenta pequena está associada á falta de vilosidades (unidade anatômica circulatória) e uma placenta pesada está associada a infecções bacterianas e a edema.
- O uso de alguns medicamentos depressivos durante os procedimentos do parto causam também depressão respiratória e circulatória, levando a hipotensão fetal.

c) Condições do potro neonato
- Dentre as condições inerentes ao potro estão aspiração de mecônio (a asfixia leva o potro a defecar ainda no útero), gestação de gêmeos (diminuição da área placentária e conseqüentemente do fluxo sanguíneo causando subdesenvolvimento fetal), potros órfãos, atraso na ingestão de colostro (levando a diminuição da imunidade passiva), stress neonatal (leva á diminuição das células intestinais que absorvem os anticorpos causando falha na sua absorção) e potro prematuro.
 
 

FALHA NA TRANFERÊNCIA DE IMUNIDADE PASSIVA (FTIP)
 

Devido ao mecanismo de transferência da imunidade passiva em potros já ter sido anteriormente descrito nas partes I e II, focaremos agora as causas que interferem na aquisição de uma boa imunidade e seus possíveis tratamentos.

a) Causas
- Falha da glândula mamária em produzir e concentrar anticorpos (IgG) 4 a 2 semanas antes do parto. A lactação precoce também leva a esta falha, pois o colostro é substituído pelo leite em 12 horas.
- O pico de absorção da IgG é atingido 6 a 12 horas após a primeira mamada. Se ocorrerem fatores que levem a uma má absorção, como stress ou administração de inócuos orais, a imunidade ficará debilitada. A eficiência da absorção das células é máxima logo após o nascimento (22 %) e de 1 % após 24 horas.
- Anormalidades musculoesqueléticas ou traumas não permitem o potro se levantar e mamar.

b) Diagnóstico
(ver parte II – Imunidade)

c) Tratamento
- Potros com menos de 12 horas de vida: fornecer colostro via oral. É imperativo que o colostro seja de boa qualidade. Como regra geral o potro deverá receber de 2 a 3 litros de colostro nas primeiras 24 horas de vida. Poderá ser fracionado em porções de 300 ml com intervalos de 1 hora. Apesar da absorção diminuída, teremos uma proteção local do aparelho digestivo.
- Potros com mais de 12 horas de vida: a absorção de IgG estará nos seu nível mínimo, e a correção da falta desta através de colostro será pouco eficaz. Então a suplementação de IgG deverá ser realizada intravenosamente através de plasma hiperimune de origem comprovadamente confiável. A desvantagem deste método é a concentração desconhecida de IgG e o risco de choque anafilático, principalmente pelos grupos sanguíneos Aa- e Qa-, comumente associados com isoelitrólise. A quantidade de plasma a ser administrado varia de 1 a 2 litros de plasma.
 

INFECÇÃO NEONATAL

- A septicemia e a infecção local são as principais causa de morbidade e mortalidade em potros neonatos. As tentativas de redução das perdas por estas infecções deverão envolver a prevenção da FTIP, identificação do potro de alto-risco e seleção de uma estratégia terapêutica adequada.
- A Infecção neonatal poderá ser adquirida no útero (placentite, infecção materna via sangue), durante o parto (portas de entrada a mucosa oral, inalação de aerosóis, contaminação umbilical, manipulação excessiva e sem higiene do trato reprodutivo da égua, aspiração do mecônio) e após o parto (FTIP, ambiente sujo com pouca ventilação, doenças endêmicas)
- Os agentes causadores mais comuns são Rotavírus, Rhodococcus equi, Streptococcus sp e Staphylococcus sp.
- As principais afecções são, na ordem de ocorrência, pneumonia, poliartrite, enterite, úlcera gástrica, peritonite, nefrite e pleurisia.
- Os sinais clínicos incluem letargia, mamar fracamente, temperaturas superiores a 39 ° C ou menor que 37,5° C, mucosas congestas, alteração do ritmo respiratório e aumento da freqüência cardíaca (> 120 bpm). Mais raramente convulsões e claudicação.
- O diagnóstico é realizado com base nos sinais clínicos e hemograma, além de avaliação clínica veterinária.
- O tratamento tem como base principal o uso de antibióticos de amplo espectro, e medicação sintomática suporte como melhoradores da ventilação e antiinflamatórios. Exames laboratoriais poderão ser realizados para se determinar que antibiótico terá melhor resultado. Enquanto se espera, poderão ser usadas Cefalosporinas (Ceftiofur), Penicilinas, Sulfas ou Aminoglicosídeos (Gentamicina).
- A duração e prognóstico dependem do status clínico e do tipo de infecção diagnosticada.

OUTRAS AFECÇÕES
 

Outras alterações patológicas poderão ocorrer decorrentes de do que já foi relatado.  Apesar de menos freqüentes, não são menos importantes, mas nos levariam a um longo capítulo. Então, apenas para constar cito a Asfixia neonatal, Síndrome hipóxico-isquêmica (mal ajustamento causado por falta de oxigenação durante o parto levando a edema cerebral), Isoelitrólise neonatal (anticorpos colostrais que atacam as hemácias do potro) e Síndrome cólica. Em todas elas é recomendada a presença de um veterinário apto a dar o suporte clínico necessário.

 

 

Conhecendo os Adjetivos Pátrios

 



               Adjetivos pátrios são palavras que expressam a nacionalidade ou o local de origem de pessoas ou coisas. Exemplos:
 
              1. Argentina.........argentino
              2. Bélgica.............belga
              3. Brasil................brasileiro
              4. Brasília.............brasiliense
              5. Buenos Aires....portenho
              6. Campinas...........campineiro
              7. Egito.................egípcio
              8.Espírito Santo (estado)...capixaba
         9. Estados Unidos... norte-americano, ianque
             10. França.............. francês
             11. Goiás................ goiano
             13. Itália..................italiano
             14. Japão............... japonês, nipônico
             15. Judeia.............. judeu, judaico
             16. Londres............ londrino
             17. Minas Gerais.... mineiro
             18. Moscou............ moscovita
             19. Portugal........... português
             20. Rio Grande do Sul...gaúcho
             21. São Paulo ( estado )...paulista
             22. São Paulo ( cidade )...paulistano




Curiosidades do Reino Mineral

 




          a) Poucos metais são usados no estado puro; geralmente são utilizados sob a forma de
ligas ( combinações de dois ou mais metais ). Exemplos: aço ( ferro-carbono ), bronze ( cobre-estanho ), latão ( cobre-zinco ), duralumínio ( alumínio-silício ), etc.
          b) Apesar de não ser propriamente uma liga, também se usa o amálgama, que é uma solução de estanho, prata ou ouro em mercúrio - único metal líquido. Os amálgamas são empregados  na fabricação de espelhos e para obturações  dentárias.
           c ) Os cristais geralmente são milimétricos ou microscópicos; mas há também cristais muito grandes. Segundo a Enciclopédia Barsa, em Minas Gerais foi encontrado um gigantesco cristal de berilo, com cerca de 13 m de comprimento e 2 m de diâmetro, pesando cerca  de 130.000 Kg.
           d) O talco é o mineral mais mole, enquanto o mais duro é o diamante.
           e) Curiosamente, o diamante é constituído por átomos de carbono puro, cristalizado no sistema cúbico. Nenhum outro mineral é capaz de riscá-lo. Também não é atacado por ácidos nem por álcalis.


Conhecendo os Parônimos

 



            Parônimos são palavras parecidas na escrita e na pronúncia, mas com significados
diferentes. Exemplos:
            
             1. acento e assento
             2. acender e ascender
             3. caçar e cassar
             4. censo e senso
             5. cesta e sexta
             6. coro e couro
             7. comprimento e cumprimento
             8. conjuntura e conjetura
             9. deferir e diferir
            10. emigrante e imigrante
            11. eminente e iminente
            12. empoçar e empossar
            13. estofar e estufar
            14. flagrante e fragrante
            15. fabril e febril
            16. osso e ouço
            17. prescrever e proscrever
            18. ratificar e retificar
            19. tráfego e tráfico
            20. vultoso e vultuoso
 

Curiosidades do Reino Mineral

 




          a) O mercúrio e a água são os únicos minerais considerados líquidos; o petróleo, constituido por uma mistura de vários compostos  hidrocarbonados e não sendo, portanto, homogêneo, não é considerado uma espécie mineral.
         b) Vários minerais não ocorrem como unidades independentes, encontrando-se intimamente ligados uns aos outros, constituindo as rochas, que são agregados de minerais. Dentre os minerais que assim se comportam, destacam-se o quartzo, os feldspatos ( ortoclásio, microclina, albita, anortita, etc. ), as micas, os piroxênios. Os anfibólios, as olivinas, etc.
           c) Chama-se diafaneidade a propriedade  que possuem alguns minerais de permitirem que a luz os atravesse. De acordo com essa propriedade, os minerais podem ser transparentes,  translúcidos e opacos.
           d) A atividade econômica conhecida como mineração consiste na extração e beneficiamento de minerais que se encontram no estado sólido, como o carvão, líquido como o petróleo e gasoso, como o gás natural.

 
 
Curiosidades do Reino Mineral

 
 

a) As camadas de rochas sedimentares freqüentemente apresentam dobras ou flexões, que são encurvamentos causados principalmente por movimentos tectônicos ou intrusões de magma. Distinguem-se: anticlinal, com a convexidade voltada para cima; e sinclinal, com a convexidade voltada para baixo.
              b) Também é freqüente a formação de cavernas ou grutas, relativamente grandes, com ou sem abertura para a superfície. São escavadas pela ação da água, geralmente em áreas constituídas  por rochas calcárias. Devido ao gotejar da água saturada com carbonato de cálcio, formam-se colunas chamadas: estalactites ( no teto ) e estalagmites ( no piso ). Constituem áreas de atração turística, sendo as mais conhecidas as de Bom Jesus da Lapa, na Baía; a de Maquiné, em Minas Gerais; e a de Iporanga,  em
São Paulo.
               c) Um fenômeno curioso é a chamada " fumarola ", que é a emissão de gases e vapores pelos vulcões, nas proximidades da cratera, através de aberturas ou fendas, bem como na superfície das corridas de lava,
                d) " Loess" é o nome dado a um sedimento eólico ( depositado pelo vento ), constituído por partículas finas ( silte ), não consolidado e sem estratificação. Assume grande importância por dar origem a solos geralmente de grande fertilidade. O "loess " é encontrado principalmente na Rússia, na China e nos Estados Unidos.



Curiosidades do Reino Vegetal

 




          a) As plantas que não possuem clorofila não conseguem fabricar compostos orgânicos, sendo obrigadas a obtê-los de outra maneira.Um processo utilizado é o dos saprófitos ( quase todos bactérias e fungos ), que se nutrem de organismos mortos ou em decomposição, ou de partes mortas de plantas.
            b) Por que nem todos os lagos, mares e oceanos contêm algas verdes? A razão é porque as algas necessitam de substâncias minerais para que possam desenvolver e multiplicar-se. Assim, embora possam crescer nos oceanos, junto às costas, não vivem longe do litoral porque, nesse caso, não encontram os nitratos, fosfatos e outros sais que são trazidos pelas águas correntes ( cursos d'água ), provenientes das terras adjacentes.
              c) Quando uma semente germina, seu caule cresce para cima e sua raiz, para baixo. Esse comportamento é denominado geotropismo, que exprime a reação da planta à ação da
gravidade, o qual é positivo para a raiz  e negativo para o caule.
             d) Embora seja uma planta parasita, o visco - semelhante à erva-de-passarinho, contém clorofila e realiza a fotossíntese em escala reduzida. Essa planta se auto-abastece, pelo menos
em parte, de suas necessidades alimentares. No entanto, depende inteiramente da planta hospedeira, no tocante ao suprimento de água e de sais minerais, que obtém por meio de haustórios ou raízes sugadoras que penetram nos ramos da  hospedeira.
 
 
 
 
 
 
 
 CONHECENDO OS ADJETIVOS
 
 



               Adjetivos são palavras que expressam as qualidades ou características dos seres  ou coisas, ou seja, que auxiliam a perfeita compreensão dos substantivos. Por exemplo: homem  bom, homem mau, homem preguiçoso, etc.
                Os adjetivos podem ser classificados  da seguinte maneira:
                a) Adjetivos determinativos. Quando indicam o ser ou coisa do qual se fala. Exemplos: minha casa, aquela casa, etc.
                b) Adjetivos qualificativos. Quando indicam os atributos do ser ou coisa. Exemplos: casa branca, casa grande, etc.
                c) Adjetivos absolutos. Exemplos: casa baixa, homem inteligente, etc.
                d) Adjetivos comparativos. Exemplos: casa mais baixa, homem mais inteligente, etc.
                e) Adjetivos pátrios. Designam nacionalidade ou país de origem. Exemplos: brasileiro, português, carro norte-americano, vinho chileno, etc.
                f) Adjetivos eruditos. Significam " relativo a ".Exemplos: humano ( homem ), térmico ( calor ), didático, etc.
                Os adjetivos concordam com os substantivos em gênero e número. Exemplos: cão raivoso, mulher caridosa, flores belas, etc.

 
 
Curiosidades do Reino Vegetal

 

a) Gutação é um processo fisiológico que ocorre em plantas e que consiste na exsudação de gotas d'água no ápice e nas margens das folhas . Isso ocorre quando as condições ambientais são favoráveis à absorção de água pelas raízes ( solo muito úmido ) e desfavoráveis  à transpiração ( noite fria, quando os estômatos estão fechados ).
              b) Os fungos chamados " chapéu-de-sol- luminescentes " têm aspecto normal durante o dia, mas brilham misteriosamente na escuridão da noite, ostentando cores que vão do amarelo-alaranjado ao verde-escuro.
               c) Geralmente as flores e frutos das plantas se formam no ápice dos ramos, mas no
caso da jabuticabeira e do cacaueiro eles se formam na parte basal dos caules, isto é,  no tronco e nos galhos.
                d) Assim como as sequóias são as maiores plantas terrestres, as algas parda pluricelulares, chamadas " kelps ", são as maiores plantas marinhas. Ambas podem atingir a dimensão de uma centena de metros.
                e) As Pteridófitas são plantas Criptógamas vasculares, que não possuem sementes; a sua reprodução se faz por meio de esporos. São representantes típicos: felicíneas, cavalinhas e licopódios.
 
Veja ! Milho Hidropônico, Conhecimentos Gerais em Correntes Maritimas, Historia de Noé, Barragens e suas Finalidades, Lenda de Aquiles, Armadilhas do Espanhol, Maiores Megalópoles do Mundo, Crateras, Associações Biológicas, Arvores Plantas Cítricas... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lívio Chaves   
Ter, 14 de Abril de 2015 08:57

Milho hidropônico é alternativa barata para alimentação animal

Saiba como fazer um canteiro com custo total de R$ 115


Divulgação/EBDA
Com a técnica da hidroponia, o milho pode ser colhido 15 dias após o plantio 
O milho hidropônico tornou-se uma alternativa econômica para a alimentação do gado de corte e leiteiro no período de estiagem, na região de Juazeiro (BA). Com orientações de técnicos da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), os agricultores familiares estão utilizando o produto para a obtenção de alimentos volumosos, que ajudam os animais a manterem o peso e a produção de leite.

Segundo a EBDA, O cultivo do milho hidroponizado, fornecido para a alimentação dos animais, garante o nível volumoso com 9% de proteínas, necessário para que não ocorra perda de peso durante a seca. Para aumentar o nível de proteína, é produtores enriquecem o milho com ureia (amoniação). Com a técnica, os produtores garantem a engorda dos ovinos para abate com seis meses de vida.

Em média, cada animal consomo 1,2 mil quilos de milho hidropônico por dia, ao custo de R$ 0,15. Em um canteiro de seis metros quadrados, é possível produzir 116 quilos de forragem hidropônica ao custo total de R$ 115. Ao milho, são acrescidos quatro quilos de farelo de soja ou trigo, totalizando 120 quilos, volume suficiente para alimentar aproximadamente 100 cabeças de caprinos ou ovinos por dia.

Como fazer 

1º passo: As sementes são colocadas de molho na água, por 24 horas, para facilitar a germinação

2º passo:  Após a limpeza da área demarcada, forra-se a área com uma lona dupla face, com a parte preta voltada para baixo, e distribui-se o substrato (bagaço de cana hidrolisado, palha de arroz ou feno picotado), até formar uma camada de dez  centímetros

3º passo: Em seguida, aplica-se a solução nutritiva (250g de supersimples e 450g de calcário calcítrico), espalhando sobre ela oito quilos de sementes de milho, cobrindo-as com cinco centímetros de substrato. Nesse processo é necessário fazer a adubação foliar com macro e micronutrientes quelatizados, depois de sete dias da semeadura, colocando 50 ml em 20 litros de água. Essa adubação deve ser repetida também no décimo dia. Todo o sistema é irrigado desde o primeiro dia, com 40 litros de água, sendo 20 litros pela manhã, e 20 à tarde, suspendendo esta irrigação, três dias antes da colheita.


Com essa técnica, o milho hidropônico pode ser colhido em 15 dias, enrolado como se fosse um tapete , pprocessado na forrageira para homogeneiza-lo, e, em seguida, misturado com o farelo de trigo ou soja, ficando, assim, pronto para ser fornecido aos animais.

Além da rapidez na produção, hidroponia é vantajosa como a técnica de fonte de alimento animal por usar pouca área de cultivo, ter alta produtividade, isenção do preparo do solo e capinas, redução do ciclo de cultura e dispensa do uso de agrotóxicos e terras agricultáveis.

 

 

Conhecendo as Correntes Marinhas

 


As correntes marinhas são verdadeiros rios de água salgada, que se deslocam na massa líquida dos oceanos e mares. Podem aparecer tanto junto aos litorais como em pleno oceano; podem ser pequenas ou grandes, locais ou de grande extensão. Possuem salinidade, temperatura, densidade e, às vezes, até cor característica. Em geral, sua velocidade e direção variam durante o ano.
As correntes marinhas podem ser de dois tipos: a) correntes de superfície; b) correntes de profundidade.
Admite-se que são duas as causas das correntes marinhas: a) forças internas, devidas às diferenças de temperatura, salinidade e, consequentemente, diferenças de densidade da própria água; b) forças externas, como o vento e a pressão atmosférica. A velocidade da corrente diminui gradativamente com a profundidade.
As correntes distinguem-se também pela sua temperatura. Assim, a corrente do Brasil, que se dirige do equador para o sul, ao longo da costa brasileira, é uma corrente quente; ao passo que a costa da Argentina é sujeita a uma corrente fria ( corrente das Falklands ), dirigida do sul para o norte.
A corrente do Golfo ( Gulf Stream ) circula no Atlântico Norte, de noroeste para sudeste, influenciando a própria navegação. Ela torna mais rápida a travessia do Atlântico de oeste para este, do que de este para oeste.
A circulação das correntes marinhas, estabelecendo trocas de água entre as regiões quentes e frias ajuda a manter o equilíbrio térmico do nosso planeta.
 

Conhecendo a História de Noé

 


Noé é um personagem bíblico, filho de Lameque e o décimo em geração direta de Adão. Seu nome é lembrado por ser o principal protagonista do Dilúvio.
Por ter sido íntegro e justo, foi escolhido para perpetuar a espécie humana, quando Deus resolveu destruí-la por causa de sua maldade e seus pecados.
Por orientação divina, Noé construiu uma grande arca de madeira, na qual, chegada a ocasião, abrigou-se com a esposa, seus filhos e respectivas mulheres, e um casal de cada espécie animal. Então choveu ininterruptamente durante 40 dias e 40 noites, até que toda a terra ficou coberta pelas águas durante 150 dias.
Quando a água finalmente a água baixou, a arca pousou sobre o monte Ararat, na Armênia. Com a terra seca, Noé saiu com seus familiares e os animais.. Como sinal de seu perdão, Deus fez aparecer no céu o arco-íris. Seus três filhos - Sem, Cam e Jafet, são considerados pela bíblia os ancestrais das três raças humanas: amarela, negra e branca, respectivamente.
 

 
CONHECENDO AS BARRAGENS E SUAS FINALIDADES

 


(Barragem da cidade de Barra Bonita SP)


Barragem é o represamento das águas de um curso d'água por meio de um dique construído transversalmente ao seu leito, de modo a formar uma represa ou reservatório de água, também chamado açude.
As barragens geralmente são construídas em locais onde existe uma garganta estreita, tendo à montante um bolsão ou espraiado para armazenar a água represada. Podem ser construídas com terra, alvenaria ou concreto e devem possuir um vertedouro ou " ladrão " para dar saída à água em excesso.
A água armazenada serve para várias finalidades, tais como: a) abastecimento urbano ( residencial e industrial ); b) geração de energia elétrica; c) irrigação de culturas; d) bebedouro para animais; e) embelezamento e recreação; f)criação de peixes; g) controle de inundações; h) navegação; i) regularização da vazão do rio, etc.
Evidentemente, uma mesma barragem pode servir para várias finalidades.
Na natureza, os castores constroem pequenas barragens com galhos e troncos de árvores e arbustos, cimentados com lama; e constroem seus abrigos abaulados, constituídos por uma câmara com respiradouro e saída sub-aquática.
 

Conhecendo a Lenda de Aquiles



Aquiles foi um herói da mitologia grega, filho de Peleu e de Tétis, ninfa marinha ( que não se deve confundir com Tétis, a deusa do oceano ). Como as Parcas profetizaram que o filho morreria cedo, sua mãe mergulhou-o nas águas do rio Estige para torná-lo invulnerável. Realmente, todo o seu corpo, exceto o calcanhar por onde o segurou, adquiriu invulnerabilidade.
Aquiles tornou-se um jovem forte e belo, o mais veloz nas corridas. Participou da Guerra de Tróia, comandando uma frota grega de 50 navios e tornou-se o mais famoso dos guerreiros. No décimo ano de luta, capturou a jovem Briseida, que lhe foi arrebatada por Agamenon, chefe supremo dos gregos. Agastado com essa afronta, retirou-se da guerra. Sentindo a falta de seu valioso auxílio, os gregos conseguiram persuadi-lo a ceder sua armadura e os seus guerreiros a seu amigo Pátraco. Este, porém, foi morto por Heitor, que se apoderou de sua armadura.
Sedento de vingança, Aquiles reconciliou-se com Agamenon. De armadura e escudo novos, forjados por Vulcano, voltou à luta e matou Heitor. Pouco depois
Páris, irmão de Heitor, lançou contra Aquiles uma flecha envenenada que, guiada por Apolo, atingiu o seu calcanhar, a única parte vulnerável do seu corpo.
O tema das proezas desse herói é tratado na Ilíada de Homero, que relata a Guerra de Tróia. A morte de Aquiles e seu funeral são tratados na Odisséia, também escrita por Homero.
 

Armadilha do Espanhol

 


Existem muitas palavras que, embora tenham semelhança gráfica, têm significados diferentes em espanhol e em português. Exemplos:

Espanhol Português

1. aborrecer............. odiar
2. apelido................ sobrenome
3. apurado.............. apressado
4. berro................... agrião
5. borrar.................. apagar
6. cena................... ceia
7. contestar............ responder
8. cuello................. pescoço
9. embarazada........ grávida
10. jubilación............ aposentadoria
11. largo................... comprido
12. pronto................. logo
13. rato.................... momento
14. rojo.................... vermelho
15. rubio.................. loiro
16. sitio................... local
17. sobrenome......... apelido
18. taller................... oficina
19. taza.................... xícara
20. zurdo.................. canhoto.
 

Conhecendo as Maiores Megalópoles do Mundo

 

(Foto a cidade de São Paulo)


Megalópoles Milhões de habitantes

1. Tóquio ( Japão ) .................... 35,2
2. Cidade do México ( México )... 19,4
3. New York ( Estados Unidos )... 18,7
4. São Paulo ( Brasil ) ................. 18,3
5. Bombaim ( Índia ) ................... 18,2
6. Nova Déli ( Índia ) ................... 15,o
7. Xangai ( China ) ...................... 14,5
8. Calcutá ( Índia )........................ 14,3
9. Jacarta ( Indonésia ) ............... 13,2
10. Buenos Aires ( Argentina ) ..... 12,6

Fonte: Os 10 mais, 2.008
 

 CONHECENDO AS CRATERAS

 



Cratera é uma depressão fechada, basicamente circular, na superfície terrestre ou de um planeta, ou satélite, causada por erupção vulcânica ou impacto de meteorito.
A. Crateras vulcânicas. Em geral, têm formato de cone ou funil. Pode ser central quando aparece no cume de um vulcão; ou adventícia quando surge nos flancos. Algumas crateras podem atingir grandes dimensões, como por exemplo a do Pichincha ( Equador), que tem 1.600 metros de diâmetro. Outras crateras, principalmente de vulcões extintos, podem transformar-se em lagos, devido ao acúmulo de águas de chuva.
B. Crateras de impacto. São causadas por meteoritos, geralmente largas e rasas. A borda é íngreme no lado interno, mas suave ou inexistente no lado de fora.
Em virtude da erosão, poucas crateras de meteoritos sobrevivem por muito tempo, como a cratera do Arizona ( Estados Unidos ); mas na Lua, onde não
há atmosfera e, portanto nem erosão, milhões delas permanecem preservadas. Também foram localizadas em grande número em Mercúrio, Marte, Vênus e na maioria dos satélites.
Crateras vulcânicas, tais como as encontradas na superfície da Terra, também existem na Lua, em Marte e em Vênus.
 

 CONHECENDO AS ASSOCIAÇÕES BIOLÓGICAS

 


Nenhum organismo vive isolado na natureza, e sim relacionado não só com outros da mesma espécie como de espécies diferentes, com os quais está em cooperação ou competição. A interdependência de animais e vegetais e suas relações com o ambiente conduzem a vários tipos de associações.
A reprodução sexual, a cadeia alimentar, a proteção individual, etc. levam à formação de agrupamentos sociais diversos. A simples reunião de vários organismos em local restrito não constitui uma associação, e sim uma população. Entretanto, quando se estabelecem relações recíprocas de interdependência entre os seres envolvidos e o meio físico, temos uma biocenose.
Em uma biocenose, as relações entre os indivíduos são de vários tipos. Pode haver relações de nutrição ( comedores e comidos ), relações de competição, etc.
Pode haver também relações privilegiadas entre indivíduos da mesma espécie, quer fixos - colônias, quer livres - agregações; ou ainda, entre indivíduos de espécies diferentes - simbiose, comensalismo, parasitismo.
As colônias são constituídas por grupos de indivíduos da mesma espécie que vivem associados por muito tempo. As colônias podem ser formadas por : a) organismos unicelulares - maioria das bactérias; b) organismos pluricelulares - maioria dos fungos.
As agregações são associações de organismos livres, nas quais há individualismo perfeito, isto é, cada indivíduo trabalha para si. Exemplo: nuvem de gafanhotos.

 

CONHECENDO AS ÁRVORES
 
 


Dá-se o nome de árvore a toda planta lenhosa, perene, de grande porte ( mais de 4m de altura ), com caule bem definido chamado tronco. O tronco pode não ter ramos, como nas palmeiras, ou ramificar-se e formar uma copa geralmente arredondada, com ramos ( ou galhos ) e folhas. Flores e frutos são produzidos nos ramos
Quando as árvores crescem muito juntas, como nas florestas ou nas plantações florestais, tendem a crescer mais no sentido vertical. Em lugares abertos, porém, desenvolvem-se mais os ramos horizontais.
As árvores mais altas são as sequóias que chegam a atingir 100 metros de altura, nas regiões de clima temperado; mas algumas espécies de eucalipto, na Austrália, chegam a alturas semelhantes.
Nas regiões de clima temperado predominam as Coníferas ( pinheiro, cedro, sequóia, etc. ). Nas regiões de clima tropical, como o Brasil, predominam as Dicotiledôneas ( figueira-branca, jacarandá, seringueira, etc. ).
As árvores desempenham, sobretudo quando reunidas em comunidades florestais, importante papel na manutenção do equilíbrio ecológico, oferecendo abrigo e alimentos para a fauna silvestre e protegendo o solo contra a erosão.
Além disso, fornecem produtos úteis, como madeira, lenha, polpa para papel, etc.
Muitas árvores são frutíferas, sendo cultivadas para essa finalidade ( mangueira, laranjeira, macieira, etc. ); outras são ornamentais, sendo empregadas em paisagismo ( palmeiras, ipê, flamboiã, etc. ).
 

 CONHECENDO AS PLANTAS CÍTRICAS

 



Citros ou plantas cítricas é a designação usual de diversas espécies frutíferas pertencentes ao gênero Citrus, típicas das regiões tropicais e subtropicais, como laranjeira e limoeiro.
Os citros são árvores de porte médio ( 4 a 8m de altura ), com ramos espinhosos , folhas aromáticas e persistentes. Abrangem várias espécies e muitas variedades, algumas delas produzindo frutos muito apreciados e de alto valor alimentar, ricos em vitamina C. Destacam-se os seguintes grupos:
1. Laranjas doces, divididas em: a) com frutos normais - laranja-lima, laranja-pera, piralima, etc.; b) com frutos de umbigo - laranja-bahia, laranja-baianinha, etc.
2. Limões: limão-galego, limão-tahiti, etc.
3. Tangerinas: laranja-cravo, poncã, mexerica, etc. ( frutos de casca solta ).
4. Limas: lima-da-Pérsia, lima-de-umbigo.
5. Pomelos ou " grape-fruits " : frutos grandes, suculentos, de casca grossa.
6. Cidras: redonda, comprida.
7. Laranjas azedas: laranja-da-terra, bergamota. Utilizadas na fabricação de doces.
 
 
Veja ! Doenças Respiratorias, Conhecimentos Gerais em Peixe, Pricipitação Atmosférica, Bovinos, Litosfera, Suinos, Animais Anfíbios, Oceania, Plantas para papel e Celulose e Roedores... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lívio Chaves   
Sáb, 11 de Abril de 2015 09:30

 

As doenças respiratórias


http://3.bp.blogspot.com/_LoY7FxqTk7Q/TFcnkbY4RzI/AAAAAAAABeE/OSQsuCgjfsg/s1600/Leil%C3%A3o+de+Caprinos+e+Ovinos+Gravat%C3%A1+31+de+julho+de+2010+049.jpg

As doenças respiratórias representam a segunda causa de perdas econômicas em um sistema de produção de ovinos, perdendo apenas para as verminoses.

As bactérias e vírus são os maiores responsáveis por essas enfermidades, que se manifestam com a presença dos fatores predisponentes de estresse, tais como: transporte; variações climáticas; ventilação inadequada; desequilíbrio nutricional; confinamento e desmama. Geralmente ocorre uma virose com consequente infecção secundária por bactérias.

 


Pasteurelose

 

É causada pela bactéria Pasteurella haemolytica e se destaca como a principal enfermidade pulmonar em ovinos. Os surtos começam com mortes súbitas e sem a presença de sinais clínicos característicos. O envolvimento respiratório torna-se mais evidente ao longo do surto, aparecendo quadros de pneumonia aguda, febre, depressão, perda de peso, secreção nasal, tosse e ruídos pulmonares anormais.

O animal pode ser acometido em qualquer idade, independente da raça e do sexo, sendo que cordeiros entre 2 semanas a 2 meses de idade são os mais acometidos. A transmissão ocorre por inalação de partículas contaminadas e também pode ocorrer por contato direto. Um exemplo deste último é um cordeiro lactente infectado através de uma ovelha portadora de mastite causada por P. Haemolytica.

A taxa de morbidade pode chegar a 40% e de mortalidade a 5%. O curso da doença geralmente é de três dias, embora possa ocorrer morte em apenas 12 horas. A recuperação total dos animais pode ser observada em 14 dias (se forem corretamente tratados).

O diagnóstico é feito através dos achados clínicos, necropsia (hemorragia pulmonar e lesões ulcerativas na faringe e laringe), exame histopatológico e isolamento da bactéria.

 

Micoplasmose

 

Também é uma doença respiratória de grande importância para ovinos. Conhecida como pneumonia enzoótica, é causada pela bactéria Mycoplasma sp. Acomete animais de diferentes idades, porém, cordeiros com menos de um ano geralmente são os mais infectados (maior incidência entre 5 a 10 semanas de vida).

Os cordeiros contaminados apresentam tosse crônica e dificuldade para respirar, além de secreções nasais mucopurulentas e febre. Realiza-se a necropsia, exame histopatológico e Elisa (método de detecção de anticorpos) para um diagnóstico mais preciso.

 

Tratamento e prevenção das doenças respiratórias bacterianas

 

As doenças infecciosas do trato respiratório, como mencionado anteriormente, são causadas pela combinação de agentes infecciosos (bactérias e vírus) e causas predisponentes (estresse).

Uma conduta racional para o controle e prevenção das doenças respiratórias seria a obtenção de diagnóstico clínico e laboratorial preciso e técnicas de manejo que minimizem as causas de estresse.

Devem-se utilizar antibióticos como tratamento principal, assim como toda patologia de origem bacteriana. As oxitetraciclinas de longa ação apresentam bons resultados contra a Pasteurelose.

Está se tornando cada vez mais difícil obter um diagnóstico etiológico específico, pois os problemas respiratórios parecem estar sendo causados por infecções múltiplas. Nestes casos, recomenda-se utilizar antibióticos de amplo espectro, como as cefalosporinas.

Métodos profiláticos apresentam boa eficiência no controle e profilaxia dessas infecções. São exemplos:

1) a minimização das alterações climáticas;

2) manejar os cordeiros e suas mães em galpões cobertos durante as primeiras semanas de vida;

3) taxa de lotação adequada dos galpões-maternidade e de confinamentos;

4) boa ventilação dos galpões.

 

Conhecendo os Animais com nome " Peixe"

 



Peixe é a designação geral de uma classe de animais vertebrados aquáticos, que compreende cerca de 20.000 espécies. Acrescida de qualificativos, a palavra é usada para indicar espécies de peixes com características especiais e também duas espécies de mamíferos aquáticos. Vejamos alguns exemplos:
1. Peixe-agulha. Nome de um peixe escombrídeos, de forma cilíndrica e alongada.
2. Peixe-boi. Mamífero aquático da ordem dos sirênios.
3. Peixe-boto. Mamífero aquático da ordem dos cetáceos.
4. Peixe-cachorro. Nome de vários peixes de água doce, da família dos caracídeos.
5. Peixe-de-briga. Peixe asiático da família dos ananubatídeos, frequentemente criado em aquários.
6. Peixe-elétrico. O mesmo que poraquê.
7. Peixe-espada. Nome de vários peixes com prolongamento da nadadeira caudal.
8. Peixe-lua. Grande peixe discóide, quase sem cauda.
9. Peixe-martelo. Espécie de cação com a cabeça prolongada lateralmente, assemelhando-se a um martelo.
10. Peixe-mulher. A fêmea do peixe-boi.
11. Peixe-serra. Peixe que possui na parte frontal da cabeça um prolongamento ósseo chamado " rostro " , tendo nos bordos várias saliências ou dentes, assemelhando-se a uma serra.
12. Peixe-voador. Nome dado a várias espécies de peixes marinhos que, para escapar de seus predadores, saltam para fora d'água e planam no ar com auxílio de suas grandes nadadeiras peitorais.
 
 

Conhecendo os tipos de Precipitação Atmosférica

 



Precipitação atmosférica é o nome que se dá ao fenômeno de queda ao solo, do vapor d'água contido na atmosfera e que resulta dos processos de : a) condensação; b) congelamento; c) saturação. O conceito abrange, portanto, não somente a chuva, que é a precipitação líquida, mas também a neve, o granizo, o nevoeiro, o orvalho e a geada.
Do ponto de vista prático é a chuva ou precipitação pluvial que apresenta maior interesse, pois dela depende o abastecimento de água para as plantas, os animais e o homem.
A chuva cai em forma de pequenas gotas que resultam da condensação do vapor d'água. Essa queda pode ocorrer de diversos modos, distinguindo-se: a) chuva leve; b) chuva forte; c) temporal. A intensidade ( mm/h ), o diâmetro das gotas ( mm ) e a velocidade de queda ( m/seg ) aumentam de (a) para (c).
O granizo ou chuva de pedra ocorre por congelamento das gotas d'água, quando a temperatura se aproxima de zero grau. A neve ocorre nas regiões frias, resultando da mudança da fase gasosa diretamente para a fase sólida, sem a passagem pela fase líquida.
Orvalho é a precipitação que ocorre por condensação da umidade do ar junto à superfície do solo ou de objetos expostos.
A geada se forma pelo congelamento do orvalho à temperatura de zero grau.
Um tipo especial de precipitação é o nevoeiro, que se forma próximo ao solo, afetando a visibilidade; resulta da saturação do ar pelo esfriamento ou evaporação. Ao nevoeiro tênue dá-se o nome de neblina; e ao nevoeiro espesso, de cerração.
 
 
 
 
 
 

Conhecendo os Bovinos

 



Os bovinos constituem a família Bovídeos, que são mamíferos quadrúpedes, herbívoros e ruminantes, ungulados ( que têm os dedos das patas protegidos por cascos). Possuem os cascos fendidos e, em geral, um par de chifres. O estômago, volumoso, ocupa quase ¾ partes da cavidade abdominal e divide-se em 4 compartimentos: a) rúmen ou pança; b) retículo; c) folhoso; d) coagulador, este último o verdadeiro estômago.
São animais de grande porte, incluindo espécies domésticas e selvagens.
Dentre as espécies domésticas destacam-se três, muito exploradas como animais de trabalho na agricultura e como transporte, ou como produtoras de carne e leite:a) boi europeu; b) zebu ou boi indiano; c) búfalo. Distribuem-se por todo o mundo, havendo numerosas raças, especializadas para várias finalidades.
Dentre as espécies selvagens destacam-se: a) bisão norte-americano; b) bisão europeu; c) iaque, das regiões do Himalaia e do Tibete; d) banteng, que vive em Java, Bornéo e Indochina; e) gaial, habitante das selvas da Índia e da Indochina; f) gaur, que vive nas florestas da Índia e da Birmânia; g) gnu, nas savanas da África.
No Brasil, criam-se principalmente raças de boi europeu ( Holandesa, Jersey ) para a produção de leite; e raças zebuínas ( Gir, Nelore, Guzerá, etc. ) para a produção de carne.
 
 
 
 
 

Conhecendo a Litosfera

 



Dá-se o nome de litosfera ao envoltório sólido da Terra. Antigamente, era considerada sinônimo de " crosta terrestre ", mas atualmente é conceituada como a " esfera rochosa ", incluindo a crosta terrestre e também a parte externa, sólida, do manto. Portanto, a litosfera compõe-se de uma parte externa ou crosta e da capa externa
do manto, estendendo-se a uma profundidade de 100 km da superfície.
A maior parte da superfície da litosfera - cerca de três quartas partes - fica submersa nos mares e oceanos. Daí a distinção entre: a) crosta oceânica, mais delgada; b) crosta continental, emersa e mais espessa.
A litosfera é composta por duas camadas, denominadas sial e sima. O sial é a camada externa, encontrada nos continentes e ilhas, e constituída predominantemente por rochas graníticas, nas quais os componentes principais são o silício e o alumínio, daí o seu nome. O sima é uma camada constituída predominantemente por rochas basálticas, formando o piso dos oceanos e estendendo-se sob o sial, nos continentes. Os componentes principais das rochas do sima são o silício e o magnésio, donde se originou o nome desta camada.
A litosfera não é tão estática quanto parece. Na realidade, passa por constantes modificações causadas por: a) forças internas, que causam intrusões de magma, erupções vulcânicas, terremotos e outros processos que provocam soerguimentos, afundamentos, falhamentos e dobramentos das camadas de rochas; b) forças externas ( água, vento, gelo, etc. ) que causam intemperismo - desagregação e decomposição das rochas; e erosão - remoção e transporte de material de um local para outro.
Esses processos são responsáveis pelas modificações que ocorrem no relevo terrestre.
 

Conhecendo os Suínos

 


Suínos é a denominação geral dos mamíferos da família Suídeos, possuidores de cascos nas extremidades dos dedos, sendo o casco sulcado ou dividido. São onívoros, digerindo bem todos os alimentos, exceto os celulósicos. Podem ser domésticos, como o porco; ou selvagens, como o porco-do-mato e o javali.
As duas espécies brasileiras selvagens são o cateto e a queixada, que se distinguem do porco doméstico por terem as pernas mais longas e a cauda curta ou inexistente. Outras espécies selvagens são o javali europeu, o javali indiano e a babirussa da Ásia. O javali possui presas ( dentes caninos ) longas e afiadas, chegando a medir 30 cm.
Precoce e prolífico, o porco doméstico é utilizado para a produção de carne e banha sendo grande transformador de produtos agrícolas e sub-produtos da indústria vegetal em produtos de alta qualidade alimentar, exigindo pouco espaço para a sua criação. Existem raças especializadas para a produção de mais carne e menos banha, ou vice-versa; sendo as raças exóticas as mais indicada. O Brasil é um dos maiores criadores de porcos do mundo.
 

Conhecendo os Animais Anfíbios

 




A palavra anfíbio ( do grego " amphi=duas; e " bios " = vida ) geralmente é usada com dois significados diferentes: a) animal que vive tanto na água como na terra ou que vive na zona limítrofe entre esses dois meios; b) classe de animais vertebrados que vivem parte da sua vida na água e parte na terra, e que põem ovos que são fertilizados na água.
De acordo com o primeiro conceito, são anfíbios : hipopótamo, foca, golfinho, pato, pinguim, jacaré, crocodilo, etc.
De acordo com o segundo conceito, os Anfíbios constituem uma classe do reino animal que compreende cerca de 4.000 espécies, distribuídas em três subclasses: a) Ápodes - sem patas, exemplificados pelas cecílias ou cobras-cegas; b) Urodelos - com cabeça, tronco e caudas distintos, compreendendo salamandras, tritões, etc.; c) Anuros ou Batráquios - com cabeça e tronco fundidos, sem cauda, como sapos, rãs e pererecas.
Embora os Anfíbios adultos vivam em ambiente terrestre, na época da reprodução voltam à água e nela realizam a postura e a fecundação dos ovos, seguidas pelo desenvolvimento das larvas ou girinos. Estes possuem um par de brânquias, que mais tarde são substituídas por pulmões. Assim, passam a primeira parte da vida na água e depois passam a viver em terra.
A pele tem especial importância para os Anfíbios, uma vez que funcionam como uma superfície respiratória e precisa ser mantida úmida. Os pulmões, presentes na maioria porém não em todos os Anfíbios, têm uma estrutura simples, em forma de um saco que se liga com a cavidade oral por meio de um tubo.
 

Conhecendo a Oceania

 



Oceania é o nome dado a uma das sub-divisões das massas continentais, correspondente ao Novíssimo Continente, que abrange a Austrália e um grande número de ilhas e arquipélagos situados no oceano Pacífico. Costuma-se subdividir a Oceania em 4 áreas distintas: a) Australásia; b) Melanésia; c) Micronésia; d) Polinésia.
A. Australásia. Compreende a Austrália e as ilhas maiores: Tasmânia, Nova Zelândia e parte da Nova Guiné, que formam um grande retângulo.
B. Melanésia. Está localizada à nordeste da Austrália e compreende o grupo de ilhas situadas a NE da Austrália que, estendendo-se em arco, abrange o NE da Nova Guiné e vários arquipélagos, entre os quais se incluem os de Bismark, Salomão, Novas Hébridas e várias ilhas.
C. Micronésia. É assim chamada por abranger grande número de pequenas ilhas, estando localizada ao norte da Melanésia. Entre outras, inclui as ilhas Marianas, Carolinas, Marshall, etc.
D. Polinésia. Como indica o seu nome,a Polinésia é constituída por numerosas ilhas, que cobrem vasta área triangular do oceano Pacífico, dentre as quais as ilhas Hawaí e as ilhas Christmas.
A Austrália corresponde a 9/10 da área total de terras emersas da Oceania, sendo que a superfície oceânica ocupa uma enorme área -167.000.000 km2.

Conhecendo as Plantas para Papel e Celulose

 



Além do fornecimento de madeira, lenha e carvão, muitas espécies vegetais são utilizadas para obtenção de matéria-prima para a fabricação de papel e celulose.
Nos países europeus e norte-americanos, onde a indústria de papel é mais desenvolvida, a matéria-prima provém de espécies do gênero Pinus e de outros pinheiros.Na Austrália empregam-se várias espécies de eucalipto para a mesma finalidade.
No Brasil, utilizam-se as seguintes espécies para a fabricação de papel e celulose: a) Araucaria angustifólia, o nosso pinheiro-do-Paraná; b) Eucalyptus saligna e E. tereticornis, de origem australiana; c) Cunninghamia lanceolata, muito cultivado em Caieiras ( SP ); d) Pinus elliotti e P. taeda, espécies exóticas e precoces: enquanto o eucalipto é cortado aos 7-8 anos, estes Pinus podem ser cortados aos 5 anos; e) Agave sisalana - o sisal, cultivado principalmente no Nordeste brasileiro.
Além dessas plantas, deve ser citado o aproveitamento de alguns resíduos de indústrias agrícolas, como por exemplo: a) bagaço de cana - um resíduo da indústria açucareira; b) palha de cera - resíduo da indústria de cera de carnaúba.


Conhecendo os Roedores


 
 



Os Roedores constituem uma ordem da classe Mamíferos, aliás a ordem mais numerosa, com cerca de 6.400 espécies. Com poucas exceções, são animais de pequeno porte, sendo o maior deles a capivara sul-americana, que atinge o tamanho de uma ovelha.
São encontrados em todas as partes do mundo, exceto na Antártida. Ocupam principalmente ambientes terrestres,embora alguns, como o castor e o ratão-do-banhado, sejam semi-aquáticos.
Muitas espécies de roedores adaptaram-se a ambientes criados pelo homem, seja nas cidades, onde constituem uma ameaça à saúde pública, seja no campo, onde causam grandes prejuízos às lavouras, sobretudo às de grãos ( milho, arroz, etc. ).
Caracterizam-se por possuírem membros locomotores providos de cinco dedos, com unhas; braço e antebraço articulados, permitindo o movimento rotatório do antebraço; e dentição característica. Apresentam um par único de dentes frontais, em cada mandíbula. Os dentes têm forma de cinzel e a lâmina de corte é mantida pelo trabalho dos pares superiores e inferiores. Crescem continuamente durante toda a vida
do animal, para compensar o desgaste a que estão sujeitos.
Os Roedores distribuem-se por três subordens: a) Ciuromorfos, representados por esquilos, castores, marmotas, etc.; b) Miomorfos, compreendendo ratos, camundongos, hamsters, lemingues, etc.; c) Cavídeos, representados por cobaias, cotias, capivaras, etc.
Até pouco tempo, os coelhos e lebres eram classificados como Roedores, em vista do hábito peculiar de roer. Porém, atualmente, eles são incluídos em outra ordem - Lagomorfos.
 
Veja ! Conhecimentos Gerais em Peixes, Pôlders da Holanda, Esclarecendo Algumas Duvidas, Mares, Curiosidadesw Geográficas, Curiosidades do Reino Animal, Orquidias, Animais com Conchas, Inflorescências e Infrutescências Herbívoros... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lívio Chaves   
Seg, 06 de Abril de 2015 08:25

Conhecendo os Peixes

 




Os Peixes constituem uma classe do ramo Vertebrados. São animais aquáticos, que respiram por brânquias, cujo corpo fusiforme, às vezes achatado, frequentemente coberto por escamas e dotado de número variável de barbatanas que lhe asseguram equilíbrio e propulsão. São conhecidas mais de 20.000 espécies, que podem ser divididas em dois grandes grupos: a) Elasmobrânquios - peixes com esqueleto cartilaginoso ( não ossificado ), representados pelo tubarão, arraia, jamanta, etc.; b) Teleósteos - peixes com esqueleto ósseo, representados pelo salmão, truta, dourado, piranha, etc.
São encontrados praticamente em todos os mananciais hídricos - rios, lagos, mares e oceanos. Como seus corpos são mais densos que a água, os peixes teriam de se manter em movimento contínuo para não afundarem; porém, o problema é contornado através da bexiga natatória, que é uma vesícula que contém ar ou gás secretado pelo organismo. Seu tamanho varia de alguns centímetros até 15 metros ( tubarão- baleia ). A bexiga natatória não existe nos peixes cartilaginosos, como arraia e tubarão.
Os peixes são basicamente carnívoros, alimentando-se principalmente de outros peixes. Pela sua ferocidade destacam-se: atum, cação, piranha, peixe-espada, tubarão, etc.
Entre os peixes marinhos de importância econômica destacam-se: pescada, arenque, bacalhau, atum, sardinha, anchova, etc. Dentre os peixes de água doce destacam-se: pirarucu, aruanã, poraquê, bagre, dourado, corimbatá, etc.
Como exemplos de peixes curiosos podem ser citados: cavalo-marinho, peixe-espada, peixe-serra, enguia, arraia, etc.
O salmão e a truta são peixes marinhos que vivem nas costas da Europa e da América do Norte, mas que sobem os rios para efetuar a desova.
 

Conhecendo os Pôlders da Holanda

 




" Polder " é uma palavra holandesa que significa terra conquistada ao mar.
A Holanda ou Países-Baixos possui cerca de 40% do seu território situado abaixo do nível do mar e protegido contra a inundação pelas águas do mar por uma série de centenas de pôlders, de diversos tamanhos. Cada pôlder é formado por um conjunto de diques contra inundação, canais de irrigação e drenos, combinados com uma estação de bombeamento para retirar o excesso de água, permitindo a sua utilização para agricultura.
No passado, as estações de bombeamento funcionavam movidas a moinhos de vento. Atualmente, usam-se centrais acionadas eletricamente.
Processos de dessalinização do solo são empregados para que o pôlder possa ser
utilizado para agricultura.
O pôlder mais baixo é o de Príncipe Alexandre, que está a 6,6 metros abaixo do nível do mar.
Outros países também têm construído pôlders, como a Bélgica e a Alemanha.

Esclarecendo algumas Dúvidas

 


a) Elefante africano e elefante asiático
Existem dois tipos de elefantes: o africano e o asiático. O elefante africano é mais alto, de orelhas maiores, com presas maiores e tromba terminando em dois lóbulos.
O elefante asiático é de maior tamanho, porém menos pesado, de orelhas menores, com presas menores e tromba terminando em um único lóbulo.
O elefante africano é pouco domesticável, ao passo que o elefante asiático é facilmente domesticável, sendo usado para trabalhos pesados e comumente encontrado em jardins zoológicos e circos.
b) Estuário e delta
São dois tipos de foz ou desembocadura de rios. O estuário é largo e profundo, com a forma de um funil. Um bom exemplo é o estuário do rio da Prata, entre a Argentina e o Uruguai.
Delta é uma zona de acumulação aluvial, de forma geralmente triangular, formada por um rio ao atingir um lago ou o mar. Os deltas mais famosos são o do rio Nilo, no Egito; do rio Ganges, na Índia; e do rio Mississipi, nos Estados Unidos.
c) O que significa a expressão " Ásia Menor"?
Ásia Menor é a denominação dada à península mais ocidental do continente asiático, banhada ao norte pelo mar Negro e ao sul, pelo mar Mediterrâneo.

Conhecendo os Mares




Mares são massas de água salgada situadas em depressões mais ou menos isoladas, adjacentes às terras emersas dos continentes. Em geral, são mais rasos que os oceanos e, em virtude de seu relativo isolamento, apresentam propriedades físicas, químicas e biológicas diferentes das dos oceanos e mesmo entre si.
Lagos muito grandes, situados no interior dos continentes são frequentemente chamados de mares, especialmente se contêm água salgada, como os mares Cáspio e Morto.
Os mares podem ser classificados em 3 grupos: a) mares abertos ou costeiros; b) mares mediterrâneos ou continentais; c) mares fechados ou isolados.
Os mares abertos comunicam-se com os oceanos por amplas aberturas, como por exemplo os mares das Antilhas, Amarelo e Arábico.
Os mares mediterrâneos comunicam-se com os oceanos por passagens estreitas, como por exemplo os mares Mediterrâneo, Báltico e Vermelho.
Os mares fechados não dispõem de nenhuma comunicação com os oceanos, não passando de verdadeiros lagos de água salgada, como por exemplo os mares Cáspio, Morto e Aral. Às vezes encontram-se abaixo do nível dos oceanos: Cáspio ( -26 m ), Morto ( -394 m ). Quando evaporam mais água do que recebem, estão condenados a desaparecer.
Em geral os mares apresentam diferenças de profundidade, de temperatura, de salinidade, etc. O mar Báltico, por exemplo, apresenta 10 milésimos de sais, enquanto o mar Morto apresenta 200 milésimos, contra 35 milésimos, em média, na água dos oceanos.

Curiosidades Geográficas




a) A Caverna dos Dinossauros, nos Estados Unidos, é o mais famoso cemitério de dinossauros. Nela se encontram todas as espécies, a partir do diplodocus, que tem 28 metros de comprimento, passando pelo brontossauro e pelo alossauro, até chegar ao laossauro, de apenas 2 metros. Nela foi construída uma sala acessível aos visitantes, tendo uma das paredes, formada pela rocha natural, cheia de fósseis.
b) Vila Velha é um importante conjunto de formas rochosas entalhada pela erosão, que lembra uma cidade em ruínas. Localizada no município de Ponta Grossa ( PR ), é um importante centro turístico. As curiosas formas de erosão resultaram do trabalho das águas pluviais sobre arenitos glaciais, dispostos em camadas e cortados por uma série de diáclases ( fendas através dos blocos rochosos ), Essas fendas , alargadas pela ação das águas, dão origem a depressões que se cruzam, sugerindo o cruzamento de ruas e avenidas de uma cidade.
c) A Islândia é uma ilha situada no Atlântico Norte, tradicionalmente ligada à Europa, constituída inteiramente de materiais de origem vulcânica: lava, pedra-pome, tufos vulcânicos e cinzas. Encontram-se nela cerca de 20 vulcões em atividade e numerosos geisers e fontes termais.
 

Curiosidades do Reino Animal

 

 

a) O maior mamífero fluvial é o peixe-boi, comum nos rios da bacia Amazônica. Ele mede até 4 metros de comprimento e pesa cerca de 800 kg.
b) A classe dos Insetos é a mais numerosa do mundo animal. Calcula-se que existem cerca de 30 milhões de espécies de insetos. A região Amazônica abriga cerca de 1/3 desse total. É lá que vive o maior besouro do mundo, o " Titanus giganteus ", com cerca de 20 centímetros de comprimento.
c) A " Piton reticulata " , do Sudeste Asiático, é a maior cobra do mundo, podendo atingir 10 metros de comprimento.
d) Um avestruz mede de 1,80 a 2,50 metros de altura, o mesmo tamanho de um camelo. A girafa atinge 7,0 metros, a mesma altura de um prédio de dois andares.
e) Uma ovelha fornece cerca de 5 kg de lã e 100 litros de leite por ano.
f) As cobras comem a cada 15 dias, aproximadamente. Elas demoram todo esse tempo para comer de novo porque a sua digestão é muito lenta, uma vez que elas engolem suas presas inteiras, sem mastigar.

Conhecendo as Orquídeas

 



As orquídeas são plantas herbáceas, perenes, terrestres ou trepadeiras, pertencentes à família Orquidáceas, uma das mais numerosas do reino vegetal, contando com cerca de 15.000 espécies, que se destacam pela beleza e fragrância de suas flores. A maioria delas vive nas regiões tropicais, se bem que existem até nas regiões frias.
Costuma-se dividi-las em dois grupos: a) terrestres, que vivem sobre o solo, comuns nas regiões temperadas; b) epífitas, que crescem no tronco e galhos das árvores das florestas tropicais, erroneamente chamadas de parasitas. Na verdade, possuem folhas verdes ( contendo clorofila ) e, portanto, são capazes de efetuar a fotossíntese. Assim, são plantas epífitas, isto é, que crescem sobre outras plantas, mas sem parasitá-las.
Algumas espécies, como a Neotia, não possuem clorofila, obtendo os nutrientes do húmus do solo.
As flores variam consideravelmente em tamanho, forma e cor, sendo adaptadas para a polinização por insetos. As sementes são produzidas em grande número e dispersadas pelo vento.
Por sua beleza ornamental, as orquídeas têm sido muito cultivadas no mundo todo; e milhares de híbridos artificiais já foram criados, Entre as espécies
mais cultivadas e seus híbridos, destacam-se as dos gêneros: Laelia, Cattleya e Oncidium.

Conhecendo os Animais com Conchas

 


Dá-se o nome de concha à carapaça endurecida, geralmente de substância calcária, que protege o corpo de vários animais. Em sentido estrito, a palavra concha designa as valvas dos moluscos, dos crustáceos e dos braquiópodes.
Alguns organismos unicelulares, como protozoários e algas diatomáceas, também têm uma capa protetora que funciona como uma concha, apesar da impropriedade do termo, no presente caso. Os ouriços-do-mar também possuem uma carapaça calcária. Mas são os moluscos e os crustáceos que se destacam por apresentarem concha.
A. Moluscos. A concha dos moluscos é formada por camadas superpostas e, às vezes, recoberta externamente por um revestimento ao qual algumas espécies devem a sua bela cor.A camada interna da concha é de nácar. Nos gasterópodes ( caracol) a concha é geralmente incompleta e espiralada; nos bivalves ( ostra, mexilhão ) as duas valvas são articuladas. podendo ser iguais ou diferentes; nos cefalópodes ( polvo, lula ) existe uma grande diversidade, podendo mesmo estar ausente.
B. Crustáceos. Têm o corpo recoberto por uma carapaça quitinosa, como os caranguejos e camarões. Sendo uma concha completa, precisa ser trocada periodicamente para que o animal possa crescer.
c. Braquiópodes. São raros atualmente, embora tenham sido muito comuns nas eras primária e secundária. A sua concha compreende uma valva dorsal, que funciona como uma espécie de tampa, e uma valva ventral perfurada, por onde sai um pedúnculo que fixa o animal ao fundo.
 

Conhecendo as Inflorescências e Infrutescências

 


Dá-se o nome de inflorescência ao conjunto de flores agrupadas; e de infrutescência aos frutos derivados das diversas flores de uma inflorescência.
A. Inflorescências. Quando o eixo floral só tem pedúnculos laterais, a inflorescência é chamada indefinida, visto que o eixo pode continuar crescendo durante toda a floração; é o caso mais geral.
Quando, ao contrário, o eixo floral termina por uma flor, a inflorescência é chamada definida, recebendo o nome de cimeira. Quando em vez de terminar por uma flor, cada pedúnculo se ramifica e se torna portador de várias flores, a inflorescência é chamada composta.
As inflorescências indefinidas mais comuns são: a) espiga, em que as flores são sésseis ( sem pedúnculo ) e inseridas ao longo de um eixo, muito próximas umas das outras, como no milho;b) cacho ou racemo, em que as flores, providas de pedúnculos, se inserem num eixo comum, a certas distâncias umas das outras, como na videira e a bananeira; c) capítulo, inflorescência constituída por grande número de flores sem pedúnculo, inseridas lado a lado em um grande receptáculo, como no girassol; d) panícula, quando corresponde a um cacho composto que, no conjunto, assume aspecto cônico ou piramidal com o ápice para cima, como na mangueira; e) umbela, tipo de inflorescência em que numerosas flores pedunculadas se inserem na mesma altura do eixo floral, característico das Umbelíferas ( cenoura ).
B. Infrutescências. Às vezes, toda uma inflorescência forma um fruto composto que é chamado infrutescência. São exemplos típicos: amora, abacaxi, figo, morango, etc.

Conhecendo os Herbívoros

 


Chamam-se herbívoros os animais que se alimentam de vegetais, mais precisamente de material herbáceo, em contraposição aos carnívoros, cuja alimentação é constituída basicamente de carne. São considerados herbívoros típicos os mamíferos Ungulados, isto é, que têm os dedos das patas protegidos por cascos.
Os Ungulados compreendem duas grandes ordens: a) Perissodáctilos, que incluem os equinos, o tapir, o rinoceronte, etc.; b) Artiodáctilos, que compreendem duas subordens: b1) ruminantes - boi, camelo, girafa, cervo, antílope, etc.; b2) suinos - porco, javali, hipopótamo.
Como a celulose que reveste a parede das células dos tecidos vegetais é de difícil digestão, o intestino dos herbívoros geralmente é longo e segrega uma enzima que ataca a celulose; e abriga uma microfauna e uma microflora que favorecem a digestão. No caso dos ruminantes, eles regurgitam o alimento ingerido e voltam a mastigá-lo. Além disso, seu estômago é dividido em 4 compartimentos: a) rúmen ou pança; b) retículo; c) folhoso; d) coagulador.
Os herbívoros são também chamados consumidores primários, enquanto os carnívoros são consumidores secundários ou terciários.
São também herbívoros, embora incompletos, outros animais domésticos ou selvagens, como por exemplo o coelho e a lebre; e também diversas aves frugívoras ( que comem frutos ) e granívoras ( que comem grãos ). 
 
Veja ! Os Animais Mentem !, Cultivo do Melão, Dicas de Manejo para seu Cão, Cães que Mastigam tudo, Morfologia Equina, Historia do Queijo, Classificação e Tipos de Queiijo... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lívio Chaves   
Seg, 30 de Março de 2015 09:00

 

 
 
 
 
 Os Animais Mentem?
Se fazer de doente ou desinteressado em algo são algumas das trapaças dos bichos
 
Segundo a psicóloga e especialista em comportamento animal, Hannelore Fuchs, os bichinhos mentem sim, mas é uma mentira um pouco diferente da dos humanos. Ela conta que, na verdade, os bichos mais trapaceiam do que mentem. Um exemplo dado por ela é quando os cachorros fingem estar desinteressados em algum brinquedo e, quando o dono se afasta, o totó corre e pega o brinquedo de novo. Outro exemplo é quando os bichos, principalmente os cães, fingem estar mancando outossindo para chamar a atenção do dono.
A psicóloga ressalta que a mentira nada mais é que um situação social em que um quer tirar vantagem sobre o outro e exemplifica isso também quando um pássaro solta um grito de alerta aos outros companheiros do bando para que eles fujam e ele fique com a presa.
Hannelore também revela que os pets sabem quando mentimos para eles e cita o velho hábito de os donos prometerem algo aos bichos para que eles saiam do sofá ou de dentro de casa e não cumprem a promessa. “Quando o dono freqüentemente promete algo ao bicho e não cumpre, depois de algum tempo, os animais param de obedecer pois percebem que não há recompensa”, conta a especialista
 
 

Estudos pretendem criar formas seguras de cultivo do melão no Cerrado brasileiro

 

O projeto foi idealizado pelo grupo de pesquisa de cultivo em ambiente protegido da Embrapa Hortaliças, em Brasília. Eles estão estudando a viabilidade do plantio de melão cantaloupe nas condições de clima e solo do Cerrado brasileiro. Estima-se que o Distrito Federal possui uma área de aproximadamente 200 hectares de cultivo em ambiente protegido, sendo que parte desse espaço é destinada ao plantio intensivo de pimentão e tomate. Por isso, o intuito do projeto é disponibilizar uma alternativa de cultivo rentável para esse perfil de agricultores, no período entressafra.

Liderado pelo engenheiro agrônomo e pesquisador Marcos Braga, o projeto pretende determinar a demanda por água e nutrientes de cinco híbridos de melão cantaloupe. “O consumo de melão nobre é relativamente elevado no Distrito Federal (cerca de 300 toneladas/mês), mas a distância em relação aos centros produtores compromete a qualidade do produto que chega ao mercado, principalmente pelos danos mecânicos causados durante o transporte rodoviário”, diagnostica. Nos primeiros estudos, o pesquisador pôde constatar que o recebimento contínuo deste tipo de melão, pelos consumidores,  é um fator problemático, principalmente quando a produção nordestina atende somente o mercado local ou demandas de exportação. “A ideia é desenvolver um manejo diferenciado para que o melão cantaloupe seja produzido durante as épocas em que o Nordeste não consegue suprir este mercado”, explica Braga.

Como o Cerrado não tem histórico de cultivo de melão cantaloupe, os pesquisadores envolvidos no projeto irão testar as necessidades hídrica e nutricional em três períodos do ano para, então, criar um sistema de produção da cultura em sistema protegido. “Os produtores de tomate e pimentão em ambiente protegido estão receptivos, principalmente pelo melão ter um valor agregado alto, o que compensaria a utilização da estrutura tecnificada”, revela o pesquisador que ainda diz ser possível expandir o cultivo para Goiás e Mato Grosso, caso se comprove a viabilidade econômica e técnica da produção no DF.

 
Muitas histórias contadas sobre a saúde de seu totó são puras invenções

1. Os cães devem ter uma ninhada antes de serem esterilizados

Isso não é verdade. Os cães que têm uma ninhada antes de serem esterilizados não são melhores por isso de qualquer forma. Na verdade, os cães castrados têm menor risco de câncer de mama e infecções uterinas.

2. Os cães estão doentes quando seus narizes estão quentes

A temperatura do nariz dos cão não indica se ele está saudável ou doente. Também não indica se eles têm febre. Há um "conto da carochinha" que diz que nariz frio ou molhado indica uma boa saúde e que o nariz quente ou seco indica febre ou doença. O único método preciso para medir a temperatura de um cão é com um termômetro. A temperatura normal do cão é entre 38ºC e 39º C.

3. Vira-latas são sempre mais saudáveis ​​do que os cães de raça pura

Isso não é verdade. Ambos, os vira-latas e cães de raça pura, podem ser saudáveis. No entanto, vira-latas em geral não têm muitas das doenças genéticas que podem ser comuns em linhas puras.

4. Todos os cães gostam de ser acariciados na cabeça

Alguns cães gostam de ser acariciado na cabeça mas muitos não.

5. Cães, quando felizes, abanam a cauda

Isso pode ser verdade, mas os cães agressivos, muitas vezes, abanam o rabo também. Há vários movimentos do corpo físico e pistas que ajudam os cães a comunicarem a sua intenção. Um rabo abanando podem significar tanto agitação ou excitação. Um cão que abana o rabo devagar é, geralmente, um totó amigável.

6. Apenas os machos levantam a perna para urinar

Isso não é verdade. Cadelas, principalmente as dominante, levantam a perna para urinar. Isso pode ser verdade mesmo em cadelas castradas.

7. Os restos de alimentos são bons para os cães

Alguns alimentos como ossos e pedaços de gordura podem ser perigosos para alguns animais de estimação. Os cães não podem digerir os ossos e a gordura pode causar problemas gastrontestinais, tais como pancreatite.

8. O alho evita pulgas

Alho não foi comprovadao útil para o controle de pulgas. Grandes quantidades de alho podem até ser prejudiciais.

9. Cães domésticos não precisam de treinamento

Isso não é verdade. Todo cão deve ser treinado.

10. Os cães comem grama quando estão doentes

Os cães descendem de lobos e raposas selvagens que comiam todas as partes da mata. Isto incluiu o conteúdo do estômago de muitos animais que comeram frutas e ervas. Muitos cientistas acreditam que a grama era uma vez parte da dieta normal do cão e que era normal eles comerem pequenas quantidades de grama.

11. Os cães gostam de comida saborosa

Os cães têm paladar muito pobre e comem principalmente baseados em seu olfato.

12. Lambidas de cachorro curam

É natural um cão lamber suas feridas, mas isso não necessariamente garante sempre a "cura". Muitas vezes a lambida pode inibir a cura.

13. Cães vão demonstrar quando estão doentes

Isso não é verdade. Cães geralmente são muito bons em esconder que eles estão doentes por instinto de sobrevivência e não parecerem mais vulneráveis ​​à presa. Muitas vezes, pelo tempo que eles escondem que estão doentes, a doença pode estar bastante avançada.

14. Cães que ficam somente no interior das casa não precisam de prevenção de dirofilariose

Isso não é verdade. Animais de estimação interior também estão em risco de dirofilariose, que é transmitida por mosquitos que podem entrar nas casas.

15. Os cães comem pedras, concreto ou lambem suas fezes ou de outros animais por causa de desequilíbrios nutricionais

Ninguém sabe por que cães comem "coisas" que não devem comer. Alguns veterinários acreditam que alguns cães que comem estas "coisas" podem estar tentando chamar a atenção ou tentando escapar do tédio. É importante para que os cães tenham uma dieta bem equilibrada, que atenda as suas necessidades alimentares e nutricionais e pratiquem exercícios físicos.

16. Os cães não precisam guia - eles naturalmente sabem para onde ir

Ah ... se isso fosse verdade. Você precisa treinar seu cão para onde ir. Essa preferência acontece quando você começa em uma idade jovem e incentiva o cão positivamente para trabalhos bem feitos.
 
 CORRIGINDO CÃES QUE MASTIGAM O QUE NÃO DEVE

5 Passos para Corrigir Cães que Mastigam Coisas Inapropriadas
por Kristy Conn



fisioanimal
Este tipo de comportamento é comum em cães jovens e vem do fato dos filhotes usar suas bocas para explorar o mundo ao seu redor.

Mastigar é um comportamento normal para filhotes, mas torna-se indesejável quando direcionada a objetos inapropriados, como seus sapatos, mobilha, ou até mesmo seus pés e mãos. Se este comportamento não for corrigido, pode levar à destruição em larga escala na propriedade, problemas médicos e deterioração dos laços entre humano e animal.

Os dentes decíduos do cão nascem entre três e oito semanas de idade e, entre quatro e seis meses, são gradualmente substituídos pelos dentes permanentes. Este é um processo doloroso e os filhotes mordem mais neste período, pois as gengivas ficam muito irritadas, e mastigar alivia o desconforto.

O comportamento de mastigar acontece com mais frequência nesta época do aparecimento da dentição, mas se não for corrigido pode persistir, até mesmo depois da época dos dentes permanentes aparecerem.

Para isso, observe estas 5 regras:

1 – Descarte problemas médicos: deficiências nutricionais causadas por dietas pobres em nutrientes, problemas gastrointestinais ou parasitas intestinais podem levar ao distúrbio alimentar que pode levar à mastigação.

2 – Ambiente à prova de filhotes: procure por perigos em potencial para o seu filhote curioso. Mantenha produtos de limpeza fora do alcance, assim como plantas tóxicas. Cabos de energia devem ser protegidos para evitar choque elétricos. Esconda objetos como sapatos, brinquedos de criança e restrinja o acesso à cômodos que não foram preparados para o filhote.

3 – Encoraje-o a mastigar o que ele deve: disponibilize brinquedos apropriados para que ele possa mastigar. Cada cão tem sua preferência. Tome cuidado com ossos e brinquedos que possam sem quebrados em pequenas partes, o cão pode engolir e se machucar, se algum pedaço perfurar alguma estrutura interna ou interromper o fluxo normal de alimento e ar. Procure adquirir brinquedos adequados ao tamanho do seu animal, de maneira que ele consiga abocanhá-lo facilmente, sem forçar uma abertura exagerada da boca. Evite dar ao cão um objeto que lembre outro que ele não deveria mastigar, como um sapato velho; ele não conseguirá distinguir entre aquele que ele pode mastigar e o que ele não pode.

4 – Desestimule a mastigação em objetos inapropriados: se você pegar seu cão mastigando algo que não devia, esconda o objeto e direcione a atenção do cão para o objeto que ele pode mastigar. Às vezes pode ser difícil desencoraja-lo se este padrão já estiver estabelecido. Você pode aplicar algo que tenha um gosto ruim ao objeto, para ajudar.

5 – Gaste algum tempo para brincar com seu cão: um cão cansado é um bom cão! Reserve um tempo para brincadeiras e exercício com seu cão regularmente. Isto não só reforça os laços entre você e seu cão, mas gasta e energia do cão em algo positivo, e não a direciona para a mastigação e comportamento inapropriado.
 
 Morfologia Equina

 

 

 
 
 

História

 

História do Queijo

 

 

A arte da fabricação de queijos tem seu início perdido num passado remotíssimo, nada menos do que há 12 mil anos antes do nascimento de Cristo, num período conhecido como paleolítico superior. Segundo a lenda, o queijo teria sido descoberto por um dos filhos de Apolo, Aristeu, Rei da Arcádia.

 

 

 

 

 

 

Queijo

 

 

O queijo primitivo era apenas o leite coagulado, desprovido de soro e salgado. A partir da Idade Média, a fabricação de queijos finos ficaria restrita aos mosteiros católicos, com novas receitas desenvolvidas por seus monges. A técnica de produção queijeira modernizou-se no decorrer do tempo. Utilizam-se, em alguns queijos, esporos de fungos n' água e adicionados ao leite.

 

 

Queijo

Os egípcios estão entre os primeiros povos que cuidaram do gado e tiveram, no leite e no queijo, fonte importante de sua alimentação. Isso foi possível porque o fértil vale do Nilo possuía pastagens cheias de gado . Tão importante era o bovino para os egípcios que a simbologia desse povo eternizou sua importância colocando chifres de vaca sobre a cabeça da deusa Hathor. Queijos feitos de leite de vaca, de cabra e de ovelha também foram encontrados em muitas tumbas egípcias.

Passagens bíblicas registram o queijo como um dos alimentos da época. Na Europa, os gregos foram os primeiros a adotá-lo em seus cardápios, feito exclusivamente com leite de cabras e de ovelhas, animais que criavam. Entretanto, os romanos foram os responsáveis pela maior divulgação dos queijos pelo mundo. Na expansão de seu Império eles levaram vários tipos à Roma. Elevaram o nível do queijo, transformando-o de simples alimento para uma iguaria indispensável nas refeições dos nobres e em grandes banquetes imperiais. Os romanos apreciavam o queijo, do qual fabricavam inúmeras variedades e cujas virtudes conheciam, pois utilizavam-no na alimentação dos soldados e atletas.

Com uma relação profunda com a mitologia e as divindades, o leite e o queijo tiveram maior abrangência na antiga Suméria, passando pelas civilizações Babilônica e Hebraica, e acabando na Antiga Grécia e na civilização romana. Na Idade Média os queijos atingiram um dos pontos mais altos no que se refere à higiene. Certas ordens religiosas ganharam reputação por causa da qualidade dos seus queijos, devido às rígidas regras de higiene em sua manufatura. Tanto que o nome queijo deriva do termo medieval formatium, ou “queijo colocado na forma”.

Com o advento das feiras e mercados nos séculos XIV e XV, algumas queijarias de regiões remotas ficaram mais visadas. No século XIX aconteceu o grande boom no consumo do queijo, afinal, a sua produção que era artesanal passou para a ordem industrial. Paralelamente, um fato também encorpou essa virada: a pasteurização.

Ao longo dos tempos, o queijo evoluiu até os que conhecemos hoje. E se tornou um produto de consumo de eleição com apreciadores espalhados pelos quatro cantos do mundo. Esse alimento nada mais é do que um derivado do leite concentrado através da coagulação e da eliminação da parte líquida (soro). Esses processos de coagulação e de eliminação do soro se convertem, assim, nas fases que caracterizam a produção de todas as variedades de queijo.

 

Classificação dos Queijos

 

Queijo

Definição

Entende-se por queijo o produto fresco ou maturado que se obtém por separação parcial do soro do leite ou leite reconstituído (integral, parcial ou totalmente desnatado), ou de soros lácteos, coagulados pela ação física do coalho, de enzimas especificas, de bactéria específica, de ácido orgânicos, isolados ou combinados, todos de qualidade apta para uso alimentar, com ou sem agregação de substâncias alimentícias e/ou especiarias e/ou condimentos, aditivos especificamente indicados, substâncias aromatizantes e matérias corantes.

Queijo fresco

Queijo fresco o que está pronto para consumo logo após sua fabricação.

Queijo maturado

Queijo maturado o que sofreu as trocas bioquímicas e físicas necessárias e características da variedade do queijo.

A denominação QUEIJO está reservada aos produtos em que a base láctea não contenha gordura e/ou proteínas de origem não láctea.

Classificação

A seguinte classificação se aplicará a todos os queijos e não impede ao fabricante de denominações e requisitos mais específicos, característicos de cada variedade de queijo que aparecerá, nos padrões individuais.

Quanto ao conteúdo de matéria gorda (gordura) no extrato seco:

Extra Gordo ou Duplo Creme: quando contenham o mínimo de 60%.

Gordo: quando contenham entre 45,0 e 59,9%.

Semi-gordo: quando contenham entre 25,0 e 44,9%.

Magros: quando contenham entre 10,0 e 24,9%.

Desnatados: quando contenham menos de 10,0%.

Exemplo:

Gordura do queijo: 28%

Extrato seco total (EST): 50%

Gordura no extrato seco (GES) = gordura = 28÷50 = 56% => queijo gordo EST

Quanto ao conteúdo de umidade

Queijo de baixa umidade (geralmente conhecidos como queijo de massa dura): umidade de até 35,9% (queijo parmesão, grana).

Queijos de média umidade (geralmente conhecidos como queijo de massa semidura): umidade entre 36,0 e 45,9%(queijo prato).

Queijos de alta umidade (geralmente conhecido como de massa branda ou "macios"): umidade entre 46,0 e 54,9%(queijo minas padronizado).

Queijos de muita alta umidade (geralmente conhecidos como de massa branda ou "mole"): umidade não inferior a 55,0% (queijo cottage, frescal).

Quando submetidos ou não a tratamento térmico logo após a fermentação, os queijos de muita alta umidade se classificarão em:

  • Queijos de muita alta umidade tratados termicamente.
  • Queijos de muita alta umidade.

 

O queijo certo para cada receita

 

Conheça os tipos mais comuns de queijo e em quais pratos eles caem bem

 

Divulgação

Confira qual é o tipo de queijo ideal para você preparar receitinhas saborosas e irresistíveis!

Queijo é uma delícia, independentemente sua variedade. Mas, por conta de suas características, cada tipo de queijo combina mais com um ou outro prato. Conheça os mais comum e como usá-los no dia a dia

Pecorino (1) 
É um tipo de parmesão italiano de leite de ovelha usado em massas frescas e molhos. Também é indicado para ser ralado sobre as massas e combina bem com Talharim com manjericão e Talharim à carbonara  

Gruyère (2)
De origem suíça, o gruyère é firme. Possui buracos pequenos e dispersos e é bom quando combinado com sopas e gratinados. Experimente usá-lo no preparo de Legumes ao molho mornay ou do Filé mignon assado com farofa  

Emmental (3)
Suíço, o emmental também é firme, tem sabor suave e buracos grandes. É muito bom servido puro e no fondue. Aprenda receitas gostosas com emmental  

Mussarela (4)
Tradicionalíssima, a mussarela de leite de vaca é firme e boa para pizzas e recheio de massas. Confira várias receitas gostosas com mussarela 

Provolone (5) 
Queijo italiano, o provolone é forte e feito com leite de búfala ou de vaca. Perfumado, é delicioso sozinho, em sanduíches ou frito. Saiba preparar pratos incríveis com provolone  

Gorgonzola (6)
O gorgonzola tem origem italiana, apresenta veias azuis e sabor forte. Bom em molhos e pastas. Quer provar? Prepare receitas com o queijo

Cheddar (7)
Criação inglesa, embora muitos achem que seja americano, o cheddar é firme e ótimo em sanduíches. Vá para a cozinha e prepare receitas com esse queijo pra lá de saboroso

Chèvre (8)
Francês, é muito macio e feito com leite de cabra. Tem sabor e textura variados, sendo bom em saladas e em pastas. 

Saint Paulin (9) 
Francês, é firme, porém cremoso. O Saint Paulin é excelente em massas. 

Roquefort (10) 
Tem veias azuis, é francês e feito com leite de ovelha. Macio, o roquefort fica ótimo em molhos, como você pode conferir na receita de Fusilli com molho de roquefort 

Brie (11)
Um dos franceses mais antigos, o brie é cremoso. Combina bem com uva Itália, torradas e em risotos. Experimente como ele é delicioso nessa Bruschetta crocante de pêra com brie e salada 

Gouda (12) 
Holandês, o Gouda é macio e tem sabor suave. É muito usado como aperitivo, mas também pode ser usado em molhos, como na receita de Gratinado de pão com três queijos 

Camembert (13) 
Macio, este francês tem uma casca de mofo e é muito apreciado como aperitivo. Mas faz bonito em massas, como nesta Panqueca de camembert 

Mussarela de Búfala (14) 
Italiana, a mussarela de búfala vem em bolinhas, na salmoura ou no soro. Bom ao natural e em saladas.Aprenda receitinhas com esse queijo

Grana Padano (15)
Parmesão italinao de excelente qualidade. É usado ralado em massas e no carpaccio e pode incrementar pratos, como neste Risoto de flor de abobrinha 

Parmesão (16)
Italiano, é feito com leite desnatado e vai bem quando servido ralado sobre as massas em geral. Confira como ele combina com vários pratos

 

 
Veja ! Faça sua Reflexão!!! , Conhecimentos Gerais em : Lenda de Éolo, Cleópatra, Sereias, Civilização Inca, I Guerra Mundial, Ciclopes, Lenda de Tupã e Conhecendo o Céu... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lívio Chaves   
Qua, 18 de Março de 2015 08:46

 PARA REFLEXÃO

                               Anuncio de Venda de um Sítio

 

Sereno-da-noite_1490

O dono de um pequeno comércio, amigo do grande poeta Olavo Bilac, abordou-o na rua: Sr. Bilac, estou precisando vender o meu sítio, que o senhor tão bem conhece. 

Será que o senhor poderia redigir o anúncio para o jornal? Olavo Bilac apanhou o papel e escreveu. 

" Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo, cortada por cristalinas e marejantes águas de um ribeirão. 

A casa banhada pelo sol nascente, oferece a sombra tranquila das tardes, na varanda". Meses depois, topa o poeta com o homem e pergunta-lhe se havia vendido o sítio. Nem penso mais nisso, -disse o homem- quando li o anúncio é que percebi a maravilha que tinha! As vezes, não descobrimos as coisas boas que temos conosco e vamos longe atrás de miragens e falsos tesouros. 

Valorize o que você tem, a pessoa que está ao seu lado, os amigos que estão perto de você, o emprego que Deus lhe deu, o conhecimento que você adquiriu, a sua saúde, o sorriso, enfim tudo aquilo que nosso Deus nos proporciona diariamente para o nosso crescimento espiritual. Tenha um Bom Dia nesta quarta-Feira 18-03-2015!

 

 

CONHECENDO A LENDA DE ÉOLO

 


Éolo é o deus do vento, na mitologia grega. Daí o adjetivo eólico, aplicado aos fenômenos relacionados com o vento: energia eólica, erosão eólica, etc.
Era filho de Poseidon e de Arné e, juntamente com seus doze filhos, seis homens e seis mulheres, habitava as ilhas vulcânicas de Lipari ( chamadas ilhas eólicas ), numa caverna onde guardava todos os ventos.
Quando Ulisses fez uma parada nessas ilhas, durante as suas peregrinações, Éolo presenteou-o com uma jarra selada contendo todos os ventos contrários. Ao mesmo tempo, soltou os ventos favoráveis para que levassem a seu destino as naus dos viajantes.
Enquanto Ulisses dormia, os tripulantes do seu barco abriram a jarra pensando que contivesse um tesouro. Os ventos contrários, desencadeados, empurraram novamente a nau até as ilhas de Éolo. Este negou-se a prestar novo auxílio e a tripulação teve que remar durante
o resto da viagem.
Quando o troiano Enéas partiu em direção à Itália, seu inimigo Juno ordenou a Éolo para lançar contra ele os ventos contrários, sendo prontamente atendido. Entretanto Netuno, deus do mar, encolerizado por não ter sido consultado, acalmou a tempestade e levou Enéas são e salvo até Cartago.
 

 CONHECENDO O MITO DE CLEÓPATRA

 


Cleópatra foi a última rainha do antigo Egito. Subiu ao trono aos 17 anos, juntamente com seu irmão Ptolomeu XIII, com quem, segundo o costume egípcio, deveria se casar. Alguns anos mais tarde, privada de qualquer autoridade real, exilou-se na Síria, de onde começou a se preparar para reaver seus direitos pela força das armas. Nesta altura, Júlio Cesar, que seguira
Pompeu até o Egito, foi seduzido pelos encantos de Cleópatra, lutando a seu favor na guerra civil que se seguiu. Ptolomeu foi derrotado e morto , sendo Cleópatra reconduzida ao trono, com seu irmão menor, Ptolomeu XIV, então com 11 anos de idade. Não houve relacionamento sexual nesse casamento.
Três anos mais tarde, quando Ptolomeu reclamou sua parcela de autoridade, foi envenenado por sua irmã, que levou ao trono Cesarion, filho de seus amores com Cesar. Dizem que Cleópatra testava a eficiência de seus venenos dando-os aos seus escravos.
Cleópatra viajou para Roma, onde foi recebida por Cesar, com quem viveu até o assassinato dele. Decidiu então voltar para o Egito, tornando-se amante de Marco Antonio, de quem recebeu vastos territórios, como a Judéia e a Arábia. Sua ligação com Marco Antonio e as doações que recebeu a tornaram impopular em Roma, do que se aproveitou Otávio para decla-
rar guerra contra ela. A esquadra egípcia foi destroçada e Cleópatra fugiu para Alexandria, onde Otávio foi encontrá-la. Por proposta de Otávio, aceitou assassinar Antonio e convidou-o a com ela se encontrar em um mausoléu, para que pudessem morrer juntos. Marco Antonio suicidou-se na errônea suposição de que Cleópatra faria o mesmo, o que não aconteceu.
Otávio resistiu às seduções de Cleópatra, que então se matou fazendo-se picar por uma víbora, evitando assim o vexame de entrar em Roma como prisioneira de Otávio. Com ela findou a dinastia dos Ptolomeus e o Egito passou a ser província romana.
Cleópatra era considerada especialista na arte do amor. Teve seu primeiro amante aos 12 anos. Dizem que chegou a levar 100 homens para a cama em uma única noite.
 

 CONHECENDO A LENDA DAS SEREIAS

 


As sereias são entidades fantásticasda mitologia grega. Eram filhas de Fórcis, deus marinho, segundo alguns; ou, segundo outros, filhas de Aquelous, divindade fluvial, ede uma ninfa. Eram descritas como metade peixe e metade mulher, possuidoras de belo canto, que enfeitiçava os navegadores, fazendo com que perdessem o controle dos barcos e encalhassem nas rochas. Dizia a lenda que habitavam rochedos escabrosos, entre a ilha de Capri e a costa da itália.
Terminada a Guerra de Tróia, ao retornar a Itaca, sua terra natal, Ulisses foi obrigado a usar essa passagem sinistra. Ordenou então aos marinheiros que vedassem os ouvidos com cera, a fim de que não escutassem o fatal canto; e fez-se amarrar ao mastro da embarcação, para assim ouvi-lo sem perigo. Ao perceberem que o barco de Ulisses escapara ao encantamento, as sereias se indignaram e se lançaram ao mar.
Com o decorrer do tempo, alenda sofreu modificações. Inicialmente, as sereias eram representadas por uma figura metade pássaro e metade mulher, passando depois à forma com a qual hoje são conhecidas - metade peixe e metade mulher. Propagada pelos navegadores, a lenda logo se difundiu para outras regiões. No Brasil, por exemplo, o mito das sereias se contaminou com outros, não só de origem tupi-guarani, mas também de procedência negro-africana. Assim, a lenda das sereias confundiu-se com a da iara, entidade folclórica que, com sua beleza e seu canto, atrai os homens para o fundo do mar.

 


 CONHECENDO A CIVILIZAÇÃO INCA

 


Os Incas eram um povo nativo que habitava o oeste da América do Sul, antes do descobrimento da América por Cristóvão Colombo.Quitto era a capital política e Cuzco, o centro religioso. Era um povo essencialmente agrícola, que atingiu um razoavel estágio de desenvolvimento. Construiram terraços ( degraus ) nas encostas íngremes dos Andes, onde praticavam a agricultura evitando, assim, a erosão do solo.
Uma redede estradas de estradas ligava os centrod vitais do Império Inca, que se estendia desde o norte do Equador, através do Peru até a Bolívia. Um grande exército e um sistema de fortalezas mantinham a ordem. A organização social baseava-se num sistema de classes sociais e conferia papel importante ao Estado. A religião era centralizada e os deuses locais eram respeitados, mas subordinados ao culto do Sol.
Os Incas desenvolveram tecnologia que incluia fábricas e ateliês de produção de cerâmica, têxteis e artefatos de metal com belas decorações. A arquitetura incluia a construção com pedras precisamente encaixadas. As ruinas de Machu Pichu , nos altiplanos dos Andes, perto de Cuzco, constituem um bom exemplo, aliás considerado uma das sete maravilhas do mundo moderno.
 

 CONHECENDO A HISTÓRIA DA I GUERRA MUNDIAL

 


A primeira guerra mundial ( 1.914 - 1.918 ) foi um conflito armado entre os Aliados - Grã-Bretanha, França, Rússia, Japão, Sérvia e, mais tarde, Estados Unidos; e as Potências Centrais - Alemanha, Império Austro- Húngaro e Império Otomano ( Turquia ). As duas principais causas foram: a) medo da ambição colonialista alemã; b) a rivalidade comercial entre os grandes estados europeu do século XIX.
A guerra foi travada em vários campos de batalha, conhecidos como: Campanha da França; Frente Ocidental; Campanha da Rússia; Frente Italiana; Campanha da Turquia, Guerra dos Balcãs, etc. Também foram travados combates navais e realizados bombardeios aéreos. O coflito terminou com a vitória dos Aliados.
O Brasil participou ao lado dos Aliados, em 1.917-1.918, enviando forças militares e navios.
Uma estimativa modesta das perdas de guerra chega a 10 milhões de mortos e 20 milhões de feridos. O conflito terminou com um armistício e o Acordo de Paz de Versalhes, assinado em novembro de 1.918.

 

 

 

 

 

 

 

 

 CONHECENDO A LENDA DOS CÍCLOPES

 


Os Cíclopes são criaturas da mitologia greco-romana, descritos como gigantes com um único olho fulgurante no meio da testa. Viviam numa ilha, que teria sido a Sicília, como simples pastores, alimentando-se de leite e queijo, se bem que, de vez em quando, algum viajante perdido lhes proporcionava um banquete de carne humana. Eram em número de três, filhos do Céu e da Terra: Esterópes (tormenta ), Arges ( relâmpago ) e Brontes ( trovão ).
Combateram ao lado de Zeus, contra os Titãs. A seguir, foram os ferreiros de Vulcano e em seu penhasco, sob o Étna, forjaram os raios de Zeus, o capacete de Plutão e o tridente de Netuno. Finalmente, foram exterminados por Apolo, por terem fornecido o raio que
fulminou seu filho Esculápio.
As grandes muralhas de algumas cidades antigas eram tidas como construídas pelos Cíclopes; e ainda hoje costuma-se empregar a palavra ciclópica para designar sólidas construções de pedra.
 
 
 
 

 CONHECENDO A LENDA DE TUPÃ

 


Tupã é uma divindade indígena brasileira, do grupo tupi-guarani. Entre os indígenas Tupã era um personagem ligado às tempestades, aos raios e trovões, que lhe eram atribuidos, Posteriormente os jesuítas, pela necessidade de catequese, identificaram Tupã, que habitava o céu, com o Deus dos cristãos.
Na mitologia tupi-guarani, porém, Tupã era um personagem de segunda ordem e não desempenhava, de modo algum, o papel que os jesuítas quiseram lhe atribuir. Os catequisadores é que, no período de colonização, iniciaram a sua valorização como como entidade semelhante a Deus.
Portanto, é indispensavel distiguir o mito indígena, onde Tupã é apenas uma entidade que provocava chuvas, raios e tempestades, e o mito filosófico de Tupã criado na época da catequese dos jesuitas. Esse problema foi esclarecido pelo etnólogo francês Alfred Métraux, na obra " A relação dos Tupinambás ".
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 CONHECENDO O CÉU

 


Do ponto de vista astronômico, céu é o espaço infinito no qual se encontram os astros. Visto da Terra, o céu parece uma grande abóboda, de cor azul-pálido durante o dia, limitado pelo horizonte. Essa impressão da abóboda celeste resulta, em parte, de três camadas de gases da atmosfera que circundam o planeta e dispersam a luz solar.
Para chegar até nós, a luz do Sol atravessa 180 km de atmosfera terrestre; durante esse trajeto, a luz é refletida pelas partículas do ar. Durante o dia, o céu parece azulado porque a luz, ao passar através dos gases e das partículas de poeira, se espalha mais intensa e rapidamente. Ao amanhecer e entardecer, o céu mostra, à certa altura, uma cor avermelhada. Isto se deve às ondas de maior comprimento ( vermelhas e amarelas ), que passam pela camada espessa da atmosfera, sem sofrer o processo de filtração a que estão sujeitas os raios azuis. Nos dias nublados o céu é escuro porque as nuvens retêm maior quantidade de luz.
Do ponto de vista religioso, céu é o lugar que se acredita ser habitado por Deus, pelos anjos e pelos bem-aventurados.
 
Veja ! Conhecimentos Gerais em : Plantas Trepadeiras, Esclarecendo algumas duvidas, Cipós e Lianas, Plantas Caducifólias e Perenifólias, Carnívoros, Plantas Suculentas, Marsupias, Fósseis, Bactérias, Planeta Vênus e Cobras... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lívio Chaves   
Seg, 16 de Março de 2015 08:50

 Conhecendo as Plantas trepadeiras

 

Planta trepadeira ou escandente é a denominação que se dá às plantas que crescem apoiando-se em um suporte qualquer, inclusive em outras plantas.
Certas trepadeiras possuem gavinhas, que são folhas ou ramos modificados, as quais permitem a fixação ao suporte; elas crescem formando espirais que se enrolam no suporte. Exemplos: videira, ervilha, chuchuzeiro, etc.
Outras trepadeiras possuem raízes adventícias, que se fixam até em muros e paredes, como a hera. Outras ainda, possuem o caule volúvel, isto é, que cresce dando voltas em torno do suporte, como os cipós ou lianas.
Os cipós são plantas herbáceas ou arbustivas pertencentes a várias famílias botânicas, de pequeno e médio porte, geralmente fibrosas. Encontram-se frequentemente nas florestas tropicais, pendentes ou enroscadas nas árvores. 
Existem centenas de espécies, podendo ser anuais ou perenes.
Algumas plantas trepadeiras são parasitas de outras plantas, como o cipó-chumbo. O guaranazeiro é um arbusto trepador, primitivamente encontrado na floresta amazônica.Muitas trepadeiras possuem belas flores, sendo empregadas como plantas ornamentais, tais como: maracujá, alamanda, glicínia, primavera, etc. O maracujá, por exemplo, além de lindas flores, produz frutos muito apreciados.

 

 

 

 

Esclarecendo algumas dúvidas

 


a) Por que o Brasil é chamado " terra dos papagaios?
A explicação é a seguinte: o navio que levou a notícia do descobrimento ao rei de Portugal, Manuel I, foi carregado de objetos, plantas e animais da região. Entre os bichos, os que mais chamaram a atenção da corte foram os papagaios. Por isso, o Brasil ganhou o seu primeiro apelido: " terra dos papagaios ".
b) Qual a origem do nome Amazonas?
Essa denominação foi dada pelo explorador espanhol Francisco de Orellana ao grande rio, em 1.541. Ao descer o rio, ele travou combate com uma tribo indígena da qual faziam parte várias mulheres guerreiras, que comparou às amazonas - mulheres lendárias da antiguidade, habitantes das margens do mar Negro. Assim, " amazonas " primeiro designou o rio, depois a região e, por fim, o estado.
c) Por que a Holanda é chamada " Países-Baixos " ?
A Holanda, nome que significa " país côncavo ", é também chamada " Países-Baixos " porque o seu território corresponde a uma grande depressão formada por extensas planícies, semelhantes a um grande delta onde desembocam os rios Reno, Mosa e Escalda. Sua altitude média não ultrapassa 45 metros, sendo que um quinto do território fica abaixo do nível do mar; são terras conquistadas ao mar mediante a instalação de " polders ", que são constituídos por um complexo sistema de diques, canais, drenos e bombas para a retirada de água.

 

 

 

Conhecendo cipós e lianas

 


A denominação cipó é aplicada às plantas sarmentosas ou trepadeiras, isto é, capazes de crescer usando como suporte os caules e demais partes de outra planta de crescimento ereto. Por lianas são conhecidas os cipós de consistência lenhosa, embora alguns autores as considerem como qualquer vegetal que, enraizado no solo, pode expandir a sua folhagem em condições de luminosidade favoráveis, longe do solo, por meio de ramos longos e flexíveis.
O fato de a liana ou cipó escorar-se em outras plantas é mera questão de disponibilidade, porquanto em situações diferentes podemos encontrá-los alçando-se sobre rochas, ou suportes propiciados pelo homem, como pérgulas e caramanchões.
Mais de 90% das lianas e cipós ocorrem nas florestas tropicais, principalmente na floresta Amazônica.
Algumas famílias vegetais apresentam-se muito ricas em lianas e cipós, como a das Bignoniáceas, na qual se destacam duas trepadeiras muito conhecidas: o cipó-de-são-joão e o cipó-cravo. Na Amazônia destaca-se o guaranazeiro. Algumas espécies possuem propriedades medicinais, como o cipó-azougue e o cipó-cabeludo. 
Há também o cipó-chumbo, do gênero Cuscuta, desprovido de clorofila e que, por essa razão, vive como parasita de outras plantas.
 
 
 
 
 
 

Conhecendo as plantas caducifólias e perenifólias

 


Denominam-se plantas caducifólias aquelas que derrubam as folhas no inverno ou na estação seca; e plantas perenifólias ou sempre-verdes as que mantêm, permanentemente, folhas verdes.
Nas regiões onde há uma estação muito fria, com inverno rigoroso, alternada com estação quente, a maioria das plantas perde as folhas no outono, antes da chegada do inverno. Passam esta estação em repouso, num estado de dormência. Chegada a primavera, brotam e retornam à atividade, com novas folhas que perduram no verão e parte do outono, em cujo término caem. Porém, nessas regiões há plantas que persistem sempre-verdes, isto é, não perdem as folhas no inverno. São , em geral, coníferas, de folhas duras e aciculares, como os pinheiros.
Nas regiões tropicais não há essa nítida distinção de estações, pois as temperaturas não são, em geral, muito baixas. Assim, a maior parte das plantas 
pode ter folhagem sempre verde, como a laranjeira. Contudo, na caatinga do Nordeste Brasileiro, a maioria das plantas são decíduas ou caducifólias, isto é, derrubam as folhas. Mas, neste caso, a queda das folhas não é causada pelo frio, e sim pela falta de água no solo.
Nos demais tipos de vegetação, as plantas não derrubam todas as folhas de uma só vez. Persistem sempre enfolhadas, sendo chamadas sempre-verdes. É que renovam suas folhas paulatinamente, substituindo as folhas velhas que caem, por outras folhas novas.
Dentre as espécies nativas, por exemplo, são perenifólias : pau-brasil, figueira-branca, pinheiro-do-paraná, etc.; são caducifólias: paineira, jequitibá, ipê,etc.

 

 

Conhecendo os Carnívoros



O termo carnívoro é usado com dois significados: a) todo animal que se alimenta de carne; b) uma ordem de mamíferos terrestres portadores de unhas em forma de garras e dentes especializados para dilacerar e mastigar a carne dos animais que caçam. Geralmente comem herbívoros, ou outros carnívoros.
Embora sejam predominantemente predadores, alguns também se alimentam de plantas; e apenas um membro dessa ordem é herbívoro - o panda-gigante. Podem ser terrestres ou aquáticos.
Os carnívoros terrestres dividem-se em duas grandes superfamílias - canídeos e felídeos, centrados no cão e no gato, respectivamente.
Os canídeos incluem: cães, lobos, ursos, raposas, etc. Os felídeos abrangem: gatos, hienas, leões, tigres, leopardos, onça, jaguatirica, lince, etc.
As focas, leões-marinhos e morsas costumavam ser incluídos entre os carnívoros, mas atualmente são classificados numa outra ordem - Pinípedes. São piscívoros ( comem peixe ).
Os ursos são carnívoros, mas praticamente comportam-se como onívoros ( que comem tanto alimentos animais como vegetais ). Alguns carnívoros também comem insetos e frutos.
De acordo com o conceito mais amplo, são carnívoros os cetáceos - baleia, boto, cachalote, etc. e também as aves de rapina - falcão, gavião, águia, coruja, etc.
 

Conhecendo as Plantas Suculentas

 



Denominam-se plantas suculentas aquelas que armazenam água em certos órgãos, que se apresentam espessos e carnosos, com muito suco. O exemplo clássico são os cáctos, adaptados à vida em ambiente seco e, por isso, contêm muita água armazenada em seus caules.
Não só em caules, mas também em raízes e folhas, podem ser feitas as reservas de água. Por exemplo, a beldroega, uma planta herbácea, tem folhas suculentas, consumidas como verdura; o umbuzeiro, uma árvore da caatinga do Nordeste, forma em suas raízes grandes tubérculos que armazenam muita água, que permite à planta sobreviver em períodos de seca prolongada. 
Assim, as plantas suculentas encontram-se, de preferência, nos lugares onde costuma haver falta de água no solo, como nos desertos. No Brasil não existem desertos, mas há a caatinga do Nordeste, com estação seca prolongada, onde ocorrem numerosas cactáceas, que podem ser pequenas como a coroa-de-frade, ou grandes, como o facheiro, o xique-xique e o mandacaru.
Não só as cactáceas são suculentas. Por exemplo, na caatinga do Nordeste encontra-se uma planta aparentada com a paineira - a barriguda, assim chamada porque seu caule armazena água e fica intumescido, dando a impressão que a planta é barriguda. Aliás, a própria paineira chega, por vezes, a apresentar o mesmo fenômeno
 


Conhecendo os Marsupiais

 



A palavra marsupial é de origem grega e significa " que tem bolsa ". É empregada para designar os mamíferos da ordem Marsupial, que se caracterizam por terem as fêmeas uma bolsa abdominal onde guardam os filhotes recém-nascidos, que aí recebem amamentação e completam o seu desenvolvimento.
Os marsupiais se diferenciam de outros mamíferos também pelo seu processo reprodutivo, já que os filhotes não são alimentados no útero pela placenta, mas nascem prematuramente. Grande parte do seu crescimento acontece dentro da bolsa, que é uma dobra da pele localizada na frente do corpo, encobrindo as tetas. 
A maior parte dos marsupiais vive na Austrália, como o canguru e o coala. Na América do Sul e Central encontram-se o gambá e a cuíca-d'água
Os cangurus se locomovem como bípedes, andando e pulando no solo com as patas traseiras, bem maiores que as dianteiras. Os coalas são arborícolas, assim como os gambás. Já a cuíca-d'água é anfíbia, tal como a lontra.
Sua alimentação é variada: o coala come folhas de eucalipto; o lobo-da-Tasmânia é carnívoro. Algumas espécies de pequeno porte são insetívoros; e outras, comem tudo o que encontram, como o gambá.
 
 

Conhecendo os Fósseis

 



Dá-se o nome de fósseis aos restos ou vestígios de plantas e animais antigos, preservados no gelo ou em rochas sedimentares. Há quatro tipos principais de fósseis: a) restos originais; b) restos substituídos; c) moldes; d) impressões.
Restos originais. Em casos raros, os fósseis são os restos verdadeiros de animais e plantas. Nas regiões de gelo eterno da Sibéria, por exemplo, foram encontrados corpos inteiros de mamutes ( ancestrais dos elefantes ), em bom estado de conservação, que viveram numa época primitiva chamada Pleistoceno. Outros exemplos são os ossos e dentes de dinossauros e outros animais de épocas passadas.
Restos substituídos. Muitos fósseis não contêm os materiais originais que os formavam, embora pareçam intatos. É que os restos originais foram substituídos, no decorrer dos séculos, por minerais duros, como por exemplo a sílica e o ferro. Um bom exemplo são as árvores petrificadas do Arizona ( Estados Unidos ): a madeira em decomposição foi aos poucos substituídas por sílica.
Moldes. Outras vezes, conchas de moluscos e ossos de vertebrados dissolveram-se completamente no interior da rocha que os conservou, deixando um molde que mostra apenas a forma do organismo desaparecido. 
Impressões. São as pegadas que os animais deixam na areia ou na lama, que foram conservados quando o sedimento se transformou em rocha. Em depósitos de xistos, por exemplo, foram encontradas pegadas de dinossauros e outros animais pré históricos
Importância. Os fósseis prestam-se ao estudo da vida no passado e também para a datação e correlação das camadas que os contêm.
 
 

Conhecendo as Bactérias

 



As bactérias são vegetais primitivos ( Talófitas ), unicelulares e microscópicas, pertencentes à classe Esquizomicetos, figurando entre os menores seres vivos conhecidos. Suas dimensões variam de 0,5 a 15 micros ( 1 micro = milésima parte do milímetro ). 
São encontradas por toda parte, livres ou de vida fixa, inclusive na neve e no intestino. A estrutura das bactérias é simples: uma célula constituída de protoplasma com membrana e núcleo difuso. A sua forma pode ser: a) esférica ( cocos ); b) bastonete ( bacilos ); c) espiralada ( espirilos ); d) filamentosa ( colônias ), etc.
As bactérias desempenham papel ecológico importante, atuando em vários fenômenos, tais como: a) decomposição da matéria orgânica; b) fixação biológica do nitrogênio do ar atmosférico; c) liberação do nitrogênio para a nutrição das plantas; d) transformações do fósforo, do enxofre, do ferro e de outros compostos inorgânicos; e) intervém na digestão intestinal de vários animais superiores, principalmente dos ruminantes. Também desempenham papel importante na preparação de muitos produtos derivados do leite, bem como em processos industriais que envolvem fermentações
Grande parte das bactérias necessita de oxigênio, chamadas bactérias aeróbias; outra parte se adapta à ausência de oxigênio, sendo denominadas anaeróbias.
Muitas bactérias são patogênicas, isto é, causam doenças tanto no homem e nos animais, como nas plantas. Dentre as doenças que causam no homem podem ser citadas: tétano, tifo, difteria, etc.
 

Conhecendo o Planeta Vênus

 
 
 
 
Venus é o segundo planeta a partir do Sol, do qual dista 106 milhões de quilômetros. Seu nome é uma homenagem à deusa do amor e da beleza, na mitologia romana. Depois do Sol e da Lua, é o astro que se apresenta com brilho mais intenso, sendo também chamado Vésper - a estrela vespertina, ou Estrela d'Alva - a estrela matutina. 
Venus descreve uma trajetória quase circular, levando 225 dias para completar uma órbita. Quase do tamanho da Terra, seu diâmetro vale 0,966 ; sua massa, o,818; a densidade média, o,91 e a gravidade, 0,88 ( dados comparativos com os da Terra ).
Possui uma atmosfera formada por densas nuvens, sujeita a fortes ventos. Na sua composição predominam gás carbônico e oxigênio. Sua pressão superficial é 91 vezes a da Terra e a temperatura superficial mantém-se em torno de 475 graus centígrados devido ao efeito estufa.
As sondas Venera 9 e 10, da antiga União Soviética, forneceram as primeiras imagens da superfície de Venus em 1.975. As duas sondas pousaram suavemente e enviaram imagens mostrando paisagens desérticas e pedregosas. Estudos recentes com radar sugerem que essa paisagem é típica de todo o planeta e que a sua superfície é marcada por inúmeras crateras e cadeias de montanhas. 
Venus não possui satélites naturais.
 

Conhecendo as Cobras

 


Cobras ou serpentes é a designação geral dada aos animais pertencentes à ordem Ofídios, da classe Répteis, representados por cerca de 2.500 espécies, vivendo na terra, na água e nas árvores.
Possuem corpo alongado, coberto de escamas, desprovidos de pata, locomovendo-se por reptação, isto é, arrastando-se no chão. A boca é facilmente dilatável, permitindo engolir presas maiores do que o seu tamanho. Seus dentes, virados para trás, não servem para mastigar, mas sim para prender as vítimas, que são engolidas inteiras.
As cobras mudam de pele frequentemente. Algumas põem ovos ( ovíparas ); outras chocam os ovos dentro do seu oviduto ( ovovivíparas ), podendo as cobrinhas nascerem antes da postura dos ovos ou depois da mesma, no exterior. As crias, desde o momento que nascem são capazes de cuidar de si mesmas.
As cobras alimentam-se de pequenos mamíferos ( principalmente roedores ), aves, lagartos, rã e peixes. A maioria das cobras pode passar vários dias sem se alimentar, porque a digestão é lenta.
Podem ser venenosas ou não-venenosas. As venenosas picam suas vítimas para matá-las ou paralisá-las, antes de engoli-las, como a cascavel. As não venenosas geralmente matam suas vítimas por constrição ( aperto ), como a sucuri.
Entre as cobras venenosas estão: cascavel, jararaca, coral-venenosa, naja, etc. Entre asa cobras não-venenosas incluem-se: jibóia, sucuri, coral não-venenosa, piton, etc.
A muçurana é uma cobra que se alimenta de outras cobras.
 
Veja ! Um dos Alimentos mais Saudáveis do Mundo, Importância da Eletricidade no Campo, Inseminação Artificial, Tilápia, Kit Ordenha, Irrigação e a Importância do Couve... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lívio Chaves   
Qui, 12 de Março de 2015 08:24

 Um dos Alimentos mais Saudáveis do Mundo

    
 

 

 
 
LEITE DE CABRA

 

Enquanto na Europa, Américas do Norte e Sul (incluindo o Brasil), podemos pensar no leite de cabra como uma bebida alternativa ao leite de vaca, na maioria das localidades do mundo, é o oposto que se aplica. Por todo o mundo, há mais pessoas a beber leite de cabra do que de vaca.

A maioria das pessoas parte do princípio que o leite de cabra terá o mesmo sabor forte e almiscarado pelo qual o queijo de cabra é famoso. Mas, na realidade, o leite de cabra de boa qualidade tem um sabor delicioso, levemente doce e, por vezes, também levemente salgado. Ao contrário do leite de vaca, não é necessário homogeneizar o de cabra. Enquanto os glóbulos de gordura no leite de vaca tendem a separar-se até à superfície, os glóbulos do leite de cabra são bastante mais pequenos e permanecem suspensos na solução. O leite de cabra pode por vezes ser usado como alternativa por quem é sensível ao de vaca.

O nome científico da cabra é Capra hircus.

 

245 grs / 168.12 Calorias
NUTRIENTES
qUANT.
DDR (%)

DENSIDADE DO NUTRIENTE

CLASS.
triptofanos
0.11 g
34.4
3.7
muito bom
cÁlcio
325.74 mg
32.6
3.5
muito bom
fÓsforo
270.11 mg
27.0
2.9
bom
vitamina B2 (riboflavina)
0.34 mg
20.0
2.1
bom
proteÍnas
8.69 g
17.4
1.9
bom
potÁssio
498.74 mg
14.2
1.5
bom

 

 
IMPORTÂNCIA DA ENERGIA ELÉTRICA RURAL   
 
 
Eficientização Energética na Propriedade Rural                                                                  l

A energia elétrica na propriedade rural destina-se à produção agropecuária e ao consumo residencial.
Dimensionar a rede interna e a potência total a ser instalada são providências que se deve tomar antes de contratar um profissional para fazer o serviço.
A potência a ser instalada é calculada da seguinte maneira: 
se alguém deseja instalar 6 tomadas e 5 lâmpadas de 100 Watts, a potência total será de 1.100 Watts. O cálculo é assim:

6 tomadas x 100 Watts600 Watts
5 tomadas x 100 Watts500 Watts
TOTAL1.100 Watts

Para a instalação de um chuveiro elétrico, é preciso acrescentar mais 3.600 Watts.
O processo para se dimensionar as instalações elétricas de produção é semelhante ao adotado para as instalações elétricas residenciais.
O ramal para a alimentação de motores e equipamentos é dimensionado em função da carga a ser ligada, da sua 
distância em relação ao padrão de entrada e da corrente elétrica solicitada para essa carga.
No caso de ramais que alimentam motores, deve haver uma proteção junto deles. Quando o ramal de alimentação do motor derivar direto da rede, deve haver uma proteção do ramal na derivação, que é feita por um disjuntor ou chave fusível.
Este ramal pode partir diretamente do padrão de entrada daquele ramal que atende sua residência ou do quadro de distribuição instalado na residência. Ele deve ser aéreo, com condutores nus, ou subterrâneo, com condutores isolados.

Principais defeitos de uma instalação elétrica:
O curto-circuito se caracteriza pela elevação excessiva e rápida da corrente elétrica provocada por defeito de isolamento no condutor ou nos motores. Suas principais causas são:
  • emendas mal feitas em condutores
  • contato do condutor nu com a terra ou outro condutor defeitos no isolamento dos condutores
  • aquecimento excessivo dos motores com a conseqüente quebra do isolamento nos enrolamentos, causado pela má operação da máquina, proteção inadequada ou sobrecarga.


Em caso de defeito por curto-circuito no equipamento, a proteção elétrica (fusíveis, disjuntores) deverá atuar. Por isso, é importante dimensionar bem todos os dispositivos utilizados na proteção dos circuitos elétricos, evitando a queima de motores, condutores e até mesmo a ocorrência de incêndios de grandes proporções.

Motores:
Antes de adquirir um motor, é preciso levar em conta a máquina à qual ele será acoplado. O manual da máquina especifica a potência do motor que é mais adequada.

Instalação – o motor deve ser abrigado em local bem ventilado e instalado preferencialmente com a máquina sobre uma única base devidamente assentada. Para motores monofásicos, recomenda-se base com dispositivo aliviador de partida que proporcione o tensionamento gradual das correias, até o motor alcançar a sua rotação de trabalho. Esse dispositivo melhora as condições de partida dos motores.

Partida – a chave de partida deve estar de acordo com o motor a ser acionado. Motores monofásicos de 12,5 cv ( 1 cv=736Watts) só podem ser ligados com chaves limitadoras de corrente de partida.

Proteção – todo motor deve ter disjuntor, contator, relé térmico, etc.


Atualmente, o Procel concedeu seu Selo de eficiência ao Motor Elétrico de Indução Trifásico: Motores Elétricos da linha Padrão e de Alto Rendimento, de 2, 4, 6 e 8 polos, nas potências e rendimentos mínimos estabelecidos em tabela específica.

Triturador de ração:
Para o dimensionamento de um triturador, deve-se considerar:
  • a mão-de-obra disponível para picar e distribuir a forragem
  • a potência dos motores que poderão ser utilizados
  • a quantidade de forragem para a alimentação dos animais.

A localização do triturador é importante para racionalizar a mão-de-obra do operador e para obter o maior rendimento. Ele deve ser colocado em uma área ampla para que a forrageira a ser picada fique próxima à bica alimentadora da máquina.
A máquina e o motor devem ser instalados sobre uma única base, mantendo-os bem fixos.

Ordenhadeira mecânica:
A ordenha mecânica é a maneira mais higiênica e rápida para a coleta do leite. Cada máquina pode ordenhar entre 10 e 12 vacas por hora.
Para escolher o tipo de ordenhadeira, é necessário saber o que é “unidade de ordenha”: é um conjunto de teteiras que ordenha uma vaca de cada vez.
Deve-se, então, considerar a quantidade de vacas que se pretende ter e dividir a quantidade de vacas pela quantidade de horas em que se pretende ordenhá-las. 
Vamos supor que sejam duas horas. Devemos, então, dividir esse resultado por 12, já que é possível ordenhar 
essa quantidade de vacas por hora.
O resultado obtido será o número de unidades de ordenha que se necessita.

Cálculo do consumo de energia elétrica com a ordenhadeira:
Unidade de ordenha
Potência do motor (cv)Consumo em kW hora2 (móvel)3/40,842 (móvel) ,04411,04621,94821,94832,791032,791232,791432,79 
Se a ordenhadeira mecânica ideal para determinado caso possui 6 unidades de ordenha, isso significa que ela virá equipada com um motor de 2 cv, o que corresponde, conforme a tabela acima, a um consumo de 1,94 kWh. Se 1,94 é o consumo em 1 hora, em 4 horas teremos 7,76 kWh/dia. Aí, é só multiplicar por 30 (dias do mês) e termos o consumo total da ordenhadeira no mês.

Resfriador de leite:
Este equipamento conserva a temperatura do leite em torno de 4ºC. A operação de alguns tipos deste equipamento é automática, como uma geladeira. O único cuidado a ser observado diz respeito ao nível da água e sua troca. 
Há vários tipos: resfriador de imersão (móvel ou fixo), pré-resfriador, e resfriador instantâneo.

Motobomba:
Uma vaca leiteira necessita de cerca de 2,5 litros de água para cada litro de leite produzido. Assim sendo, deve haver bebedouros de fácil acesso na propriedade para que a produção de leite não seja prejudicada.
A bomba elétrica pode também ser utilizada para aumentar a pressão de água para lavar as instalações dos currais, conforme exigências sanitárias.

Cerca elétrica:
A cerca elétrica é composta de um aparelho eletrificador e de um fio de arame nu, colocado ao redor de uma área que se quer isolar.
O fio de arame emite um pequeno choque elétrico cada vez que é tocado pelo animal, forte o suficiente para afastá-lo, sem machucá-lo.
Seu uso não é recomendado nos seguintes casos:
  • em áreas urbanas
  • em divisas de propriedades
  • em divisas com estradas
  • em locais que servem de acesso a pessoas
  • em locais públicos
  • em proximidade e cruzamento com redes telefônicas.


A cerca elétrica não pode ser energizada com a energia fornecida pela Celesc. 
O sistema só pode ser alimentado por baterias ou pilhas. 

É recomendável procurar os serviços de um profissional, já que este equipamento pode apresentar ameaça à vida humana. 

 

ETAPAS DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM BOVINOS

 


A inseminação artificial é o ato de deposição do sêmen no útero da fêmea, ao invés de ocorrer a cópula com um touro. O sêmen utilizado é diluído, o que evita perda de grande parte dos espermatozoides, ao contrário do  que acontece na monta natural. A fecundação, no entanto, depende, também, da presença do óvulo fértil no útero.

O objetivo  do manejo reprodutivo é fazer com que a vaca tenha maior número de crias ao longo de sua vida, garantindo mais tempo de lactação. Além disso, possui a vantagem de fazer com que as crias sejamanimais geneticamente superiores.

1. Verifique na ficha da vaca se existe alguma informação que impeça a inseminação. Não inseminar vacas com menos de 45 dias de parida ou que tenham apresentado cio a menos de 18 ou mais que 24 dias.
2. Realize a contenção da vaca e então introduza uma mão enluvada no reto, removendo as fezes até esvaziá-lo completamente. 
3. Limpe a região da vulva com papel toalha, deixando-a bem seca. 
4. Arrume os materiais (aplicador, bainhas francesas, termômetro, cortador de palheta, papel higiênico, luvas de inseminação, água morna) da inseminação sobre uma mesa ou bancada. 
5. Identifique o caneco e a rack onde o sêmen a ser utilizado está guardado. Retire a dose de sêmen sem levantar o caneco acima de 5 cm da borda do botijão. 
6. Descongele a palheta de sêmen em água a 37C, durante 30 segundos. Nunca retorne para o botijão um sêmen após ser descongelado. 
7. Seque a palheta, com papel toalha limpo e seco. Confira o sêmen e faça a bolha de ar passar para a extremidade oposta à bucha. 
8. Corte a extremidade contrária à bucha com uma tesoura limpa ou um cortador de palhetas e encaixe a extremidade cortada no aplicador. 
9. Monte o aplicador fixando-o à bainha com a borracha, lembrando de deixar o mandril puxado para evitar que parte do sêmen seja desperdiçado durante a montagem. 
10. Abra os lábios vulvares para introduzir o aplicador sem encostar a ponta na pele da vulva. O aplicador deverá ser introduzido inicialmente com a ponta voltada para o teto da vagina. 
11. Introduza a mão enluvada no reto e segurar a cérvix, fazendo o aplicador passar por ela. 
12. Confirme a posição da ponta da pipeta no corpo do útero e faça então a deposição do sêmen no corpo do útero, comprimindo o mandril do aplicador. 
13. Retire o aplicador e massageie o clitóris por 10 segundos. Confirme o número do animal e solte-o devagar. 
14. Desmonte o aplicador, limpe e guarde todo o material utilizado. Jogue o material sujo (luva e bainha em recipiente de lixo apropriado). 
15. Confira o sêmen utilizado, faça as devidas anotações na ficha da vaca.

 

 

Programa busca melhores tecnologias para o mercado da tilápia

 

 

http://1.bp.blogspot.com/_n1nscFlcQS8/S8Zwtdc_1dI/AAAAAAAAAwQ/ovaupfO60Dc/s1600/Tilapia.jpgO objetivo das pesquisas é fazer com que peixes e camarão branco sejam mais resistentes a doenças e ao estresse, para uma produção capaz de atender aos mercados nacional e internacional. A tilápia é uma das quatro espécies estudadas pelo projeto, além do tambaqui, cachara e camarão branco.

Para isso está em desenvolvimento o projeto Aquabrasil que é um projeto em rede da Embrapa em parceria com a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) que busca criar as bases tecnológicas para o desenvolvimento sustentável da aquicultura no Brasil.

 O programa traz o enfoque agroindustrial do projeto, com destaque para o processamento e a comercialização. “Uma das possibilidades é a produção minimamente processada, que são os filés resfriados que tem sua vida de prateleira aumentada com o mínimo de processamento industrial possível, mantendo a qualidade e segurança para o consumidor, devidamente embalados e passíveis de rastreamento”, disse o pesquisador Jorge Antônio Ferreira de Lara.

Um dos diferenciais do Aquabrasil é ouvir as demandas do setor produtivo. “A Embrapa tem esse papel, de pesquisar e procurar facilitar a comunicação entre o mercado, a agroindústria, a ciência e tecnologia inovadoras”, concluiu o pesquisador.

 

Kit para ordenha de bovinos é adaptado para ordenha em cabras

 


Para produzir leite de melhor qualidade e mais adequado ao consumo humano, o produtor deve adotar boas práticas agropecuárias de ordenha. Nessa linha a Embrapa Caprinos e Ovinos adaptou a tecnologia de ordenha já utilizada na bovinocultura para cabras leiteiras. O kit de ordenha manual é composto por materiais simples, como um balde plástico, uma caneca telada, mangueira, esguicho de jardim, dosador, coador, garrafa pet, cloro comercial, um par de luvas de borracha, detergente em pó e escova ou bucha natural, com objetivo de evitar a contaminação do leite por bactérias e resíduos .

 A maioria dos materiais já é conhecida dos produtores, que precisam apenas ser incentivados a fazer o uso correto deles. “É preciso chamar atenção para aspectos como a limpeza do local da ordenha, o uso da água clorada para higiene dos baldes, as mãos do ordenhadores, que devem estar limpas e com unhas cortadas. Cerca de 80% das contaminações ocorrem nas salas de ordenha, com prejuízos aos produtores. A ocorrência de mastite, por exemplo, pode gerar a perda de 250 gramas de leite por dia em cada animal.”

 

Irrigação correta garante vitalidade do jardim e economia de água; conheça sistemas

  • Jardim irrigado por aspersor. Em geral, eles são ligados ao esguicho e funcionam pela pressão da água nas torneiras. Nos sistemas automáticos a irrigação é feita com controle eletrônico

    Jardim irrigado por aspersor. Em geral, eles são ligados ao esguicho e funcionam pela pressão da água nas torneiras. Nos sistemas automáticos a irrigação é feita com controle eletrônico

A beleza de um jardim não se restringe apenas à escolha das plantas. A irrigação na medida certa é que vai definir não só a vitalidade da paisagem por muitos anos, como garantir a economia de água. O engenheiro agrônomo e paisagista Rodolfo Geiser explica que, em geral, o solo supre as necessidades das plantas: “Ele permanece úmido por conta das águas que vem das partes mais profundas e sobem por percolação [de grão em grão do solo] e também pelas águas das chuvas”.

Mas há momentos em que uma complementação da irrigação se faz necessária. “Cada espécie vegetal, fruto de ecossistemas diferentes, necessita de uma determinada quantidade de água para exercer suas funções. Se falta água, as plantas murcham e, caso não sejam irrigadas a tempo, morrem. Existe um ‘ponto de murchamento’ a partir do qual as plantas não se recuperam mais, mesmo que sejam irrigadas. Por isso, uma irrigação equilibrada é fundamental,” diz o profissional. O excesso de água também é prejudicial porque causa a proliferação de fungos e bactérias.

Geiser dá uma dica bastante lógica: usar plantas nativas da região onde o jardim está sendo cultivado e, portanto, adaptadas ao ecossistema local, facilita o controle de pragas e da necessidade de irrigação.

Arte/UOLNão se pode esquecer também de irrigar plantas em vasos. Há um mineral chamado vermiculita que, ao ser misturado na terra, armazena mais água e supre aos poucos as deficiências de umidade do solo. “Mas é uma solução temporária que não dispensa o controle constante da irrigação”, afirma o engenheiro. Portanto, fique atento. Plantas sem viço, murchas ou com folhas e ramos herbáceos tombados mostram sintomas de irrigação deficiente.

Métodos eficazes

Em geral, para a irrigação de pequenas áreas ou de plantas em vasos, o processo manual com o uso de regadores e esguichos simples é uma boa escolha. Para jardins maiores existem os aspersores que são ligados ao esguicho e funcionam pela pressão da água nas torneiras. “São úteis para gramados pequenos. Mas a pessoa vai mudando o aspersor de posição na medida em que vai regando. Existem também processos automáticos com controladores, bombas e sistema de canos e aspersores embutidos”, diz Geiser.

Há aspersores para as mais variadas situações, como para raio de rega de um metro, de dois metros e até raio de nove metros. Eles são colocados alinhados em função da dimensão da área a ser irrigada.


  • A irrigação por gotejamento permite maior controle da umidade, porque a água é vagarosamente fornecida a uma área específica, próxima às raízes da planta, por uma rede de gotejadores


  • Couve pode prevenir doenças como Mal de Alzheimer
  • A verdura pode também prevenir osteoporose e faz bem para o cérebro.

  • http://galeria.blogs.sapo.pt/arquivo/Couve-flor.jpg

    Pode não ser a verdura mais deliciosa do mundo, mas depois de ver esta reportagem tenho certeza que muita gente vai passar a comer o alimento que previne a osteoporose e até o Alzheimer.

    Essas folhas são poderosas.

    “Ela é rica em cálcio, o cálcio é legal para quem tem problema de osteoporose e também prevenção de osteoporose. No caso do ferro é legal também pro tratamento e também prevenção de anemia. Outro benefício também a B12 é importante na prevenção também de Alzheimer. Além de ter também vitamina C, que previne resfriado, melhora a imunidade”.

    E exigem uma quantidade certa no preparo.

    “Se a pessoa tomar um copo de suco fazendo com três folhas ao dia já é interessante, ou se ela tentar comer umas quatro colheres de sopa dela picada ou refolgada já é uma quantidade boa”.

    O ideal é comer crua pra manter todos os nutrientes, mas se for refogar, 30 segundos no fogo já bastam. E tem mais a couve faz bem para quem se exercita. Ela auxilia na formação de novos músculos. Tanto faz comer antes ou depois da malhação.

    Comer couve também faz bem para o cérebro. Ela tem nutrientes que ajudam a memória e o desenvolvimento intelectual. Uma ótima notícia para estudantes. Principalmente para aquelas crianças que estão se alfabetizando. Começando o aprendizado..

    E há boas maneiras de colocar essa verdura no cardápio. O suco de couve com maçã, cenoura e laranja é uma delas. Uma combinação perfeita.

    “O ferro combina muito bem com vitamina C, aí já fica legal o suco. Uma couve que é rica em ferro e tem vitamina C a gente coloca uma laranja, uma acerola um limão, rico em Vitamina C”.

 
Veja ! Como Compra um Cavalo?...Normas sem Oferecer riscos a Saúde, Rotação de Culturas, A Maior Ave do Planeta, Variedades Curiosas, Veneno de Jararaca, A Raça Dorper, Anglo Nubiana do Azulão... PDF Imprimir E-mail
Escrito por Lívio Chaves   
Qui, 05 de Março de 2015 08:44

Eqüinos (cavalos) Para o lazer,esportes,fisioterapias,fonte de renda entre outras funções

 

Como escolher e comprar um cavalo

 

 
O aumento do interesse por cavalos e os esportes ligados a esse animal tem provocado um aquecimento no mercado de compra e venda de eqüinos. Desta forma, os novos “candidatos” a proprietários acabam em meio a uma situação a qual nunca antes vivenciaram: o momento da escolha e da compra do animal.

 

Comprar algo do qual não se conhece a fundo, seja qual for o produto ou animal, é sempre arriscado, pois se pode comprar “gato por lebre” ou, neste caso, “pangaré por cavalo de raça”. Em primeiro lugar, o comprador deve ter consciência exata do seu grau de conhecimento sobre cavalos e raças, para que não se arrependa depois. Não é vergonha assumir precisar de auxílio especializado para a operação de compras, pelo contrário, é a opção mais indicada na maioria dos casos, até mesmo para pessoas que já possuem um bom conhecimento sobre esses animais.

 

Por envolver muitos aspectos práticos, a análise do animal antes da decisão de compra, deve levar em conta muitos fatores, que podem ser divididos, basicamente, em dois grupos: os aspectos e desejos do cavaleiro ou amazona e as características e estado do cavalo.

 

Características e objetivos do comprador

 

Em primeiro lugar, ao comprar um cavalo, é preciso saber se este será utilizado para tração, montaria e que tipo de montaria. O objetivo do cavaleiro ou amazona pode ser a prática de cavalgadas, saltos, corrida de velocidade, jogo de Pólo, etc. Desta forma, o cavalo escolhido deverá ser escolhido por apresentar características mais favoráveis aos objetivos de seu dono.

 

Outro fator importante, relacionado diretamente ao futuro proprietário, são suas próprias características físicas, isto é, o porte do cavalo deverá ser apropriado ao porte físico do cavaleiro ou amazona. Por este motivo, não seria adequado, por exemplo, comprarmos um animal de grande altura para a prática de equitação de uma criança ou adolescente de estatura baixa. 

 

Características e estado físico do cavalo

 

O exame clínico de um animal, antes de sua compra, deve ser feito, preferencialmente, por um Médico Veterinário, especialista em eqüinos, para evitarmos surpresas posteriores com possíveis doenças ou problemas físicos, por exemplo. Além dos aspectos relacionados às possíveis doenças, o profissional deverá avaliar as funções reprodutivas do animal.

 

É necessário levar em conta a idade do cavalo, comportamento (se é um animal arisco ou mais dócil), problemas de aprumos e possíveis conseqüências no andar do animal, além das características específicas da raça do animal.

 

Existem raças mais ou menos indicadas para determinadas atividades, pois há animais mais aptos a prática de corridas de velocidade, resistência às longas cavalgadas, saltos, prática do jogo de pólo e provas de agilidade, entre tantas atividades que podem ser praticadas com estes magníficos animais.
 
 
 

Produtos precisam seguir normas do Ministério da Agricultura para não oferecer risco à saúde


 Shutterstock

Ao comprar produtos típicos das ceias de Natal e de Ano Novo, o consumidor deve ficar atento para os itens que podem levar o produto a ser considerado fora do padrão de qualidade exigido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). As frutas frescasrequerem cuidados e são controlados na importação pelo governo. Maçãpêrauva rústica e uva finade mesa são frutas inspecionadas na entrada do país para avaliar a sua qualidade. 

O coordenador-geral de Qualidade Vegetal do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal, Fábio Florêncio, explica que o estado de conservação da fruta é observado para evitar o ingresso de frutas impróprias para o consumo. As normas fazem parte do padrão oficial de classificação do Mapa. 

As frutas secas também não podem ficar de fora das festas de fim de ano. Desta forma, frutas desidratadas como figo secodamasco, uvas passas importadas, quando ingressam no Brasil, são inspecionados pelo ministério. Durante a vistoria, os técnicos verificam se há contaminação por micotoxinas acima dos limites permitidos pela legislação brasileira

No caso das nozesamêndoasamendoins e pistaches o consumidor deve ficar atento, pois elas podem abrigar substâncias nocivas à saúde. A aflatoxina é produzida por um fungo que aparece quando o produto, depois de colhido, não é bem seco ou quando é armazenado em lugar úmido. O mais seguro é comprar as oleaginosas empacotadas, com informações de procedência na embalagem. A dica vale também para asfrutas cristalizadas e secas. 

O Mapa orienta as cadeias produtivas do amendoim e da castanha do Brasil (castanha-do-pará) a seguir as boas práticas de processamento do produto. O coordenador Fábio Florêncio afirma que “as orientações sobre os cuidados necessários para evitar contaminação e risco de má qualidade do produto são repassadas aos processadores e aos embaladores para que os seus produtos cheguem aos consumidores inócuos e sadios”.

 

 

Rotação de Culturas

 A monocultura ou mesmo o sistema contínuo de sucessão do tipo trigo-soja ou milho safrinha-soja, tende a provocar a degradação física, química e biológica do solo e a queda da produtividade das culturas.

 


    Também proporciona condições mais favoráveis para o desenvolvimento de doenças, pragas e plantas daninhas. Nas regiões dos Cerrados predomina a monocultura de soja entre as culturas anuais. Há a necessidade de introduzir, no sistema agrícola, outras espécies, de preferência gramíneas, como milho, pastagem e outras.

A rotação de culturas consiste em alternar, anualmente, espécies vegetais, numa mesma área agrícola. As espécies escolhidas devem ter, ao mesmo tempo, propósitos comercial e de recuperação do solo.

As vantagens da rotação de culturas são inúmeras. Além de proporcionar a produção diversificada de alimentos e outros produtos agrícolas, se adotada e conduzida de modo adequado e por um período suficientemente longo, essa prática melhora as características físicas, químicas e biológicas do solo; auxilia no controle de plantas daninhas, doenças e pragas; repõe matéria orgânica e protege o solo da ação dos agentes climáticos e ajuda a viabilização do Sistema de Semeadura Direta e dos seus efeitos benéficos sobre a produção agropecuária e sobre o ambiente como um todo.

Para a obtenção de máxima eficiência, na melhoria da capacidade produtiva do solo, o planejamento da rotação de culturas deve considerar, preferencialmente, plantas comerciais e, sempre que possível, associar espécies que produzam grandes quantidades de biomassa e de rápido desenvolvimento, cultivadas isoladamente ou em consórcio com culturas comerciais.

Nesse planejamento, é necessário considerar que não basta apenas estabelecer e conduzir a melhor seqüência de culturas, dispondo-as nas diferentes glebas da propriedade. É necessário que o agricultor utilize todas as demais tecnologias à sua disposição, entre as quais destacam-se: técnicas específicas para controle de erosão; calagem, adubação; qualidade e tratamento de sementes, época e densidade de semeadura, cultivares adaptadas, controle de plantas daninhas, pragas e doenças.

 

 O ALBATOZ E O DESPERDÍCIO QUE FAZEMOS.

O    ALBATROZ   É    A   AVE     DE   MAIOR   ENVERGADURA    DO  PLANETA  .SUAS   ASAS   CHEGAM   A   MEDIR   3.5   METROS   DE   UMA   PONTA   A  OUTRA   E    VIVE   CERCA   DE   80   ANOS  .A   MAIOR   PARTE   DO  TEMPO   PASSA  VOANDO   SOBRE   OS    MARES ,  AONDE     PESCA      PEIXES   PARA   SE  ALIMENTAR  .  PRECISA   DE    ALGUMA   ILHA  OU  TERRA  PARA   POUSAR   E  DESCANSAR  .QUANDO   OS  ANTIGOS   NAVEGANTES   AVISTAVAM    ALBATROZES ,  SABIAM    QUE  HAVIA   TERRA   PRÓXIMA . A    PETROBRÁS    FINANCIA   O   PROJETO   ALBATROZ    C OM    FINALIDADE   DE   PRESERVAR     A   ESPÉCIE  .

DESPERDÍCIO   DE    COMIDA

64%    do    que   se   planta   no   País  ,  é   perdido   ao   longo   da   cadeia   produtiva . 10     milhões    de   toneladas  de   grãos    são   derramados   no  caminho  entre  o  produtor   e   o   consumidor   .50%    das    hortaliças   é      a   perda    média   entre   a   colheita  e  oferta   no  mercado  .A  nível    mundial  ,  a   FAO   ESTIMA , QUE   33 %   DE  TUDO  QUE  É   PRODUZIDO  NO  MUNDO  É  DESPERDIÇADO  .

DESPERDÍCIO    DE    ÁGUA    E   ENERGIA   ELETRICA

42%      de    toda  água   potável  se  perde   no   processo   de   captação ,reservatório   e   consumidor   final  . Cada    brasileiro   desperdiça  de   50   a  100   litros    diários   por  vazamentos   ou  maus    hábitos  , como    escovar  os  dentes  e  fazer   a  barba   com  a  torneira   aberta  .

 

 

 

 

A    energia   elétrica  distribuida    no   país  é  desperdiçada   por    maus  hábitos    como   não   apagar   a   luz  quando   deixa   um  cômodo  ou    deixar   os   aparelhos    eletrônicos   na   posição  stand   by .  MAIS   DE  UM  TERÇO   DOS   CONSUMIDORES   NÃO   PAGAM    A   CONTA   DE    LUZ .  POR   CONTA   DESSES   DESPERDÍCIOS   MAIS   DE  2   BILHÕES   DE  PESSOAS   PASSAM  FOME   E  NÃO  TEEM  ELETRICIDADE
 
 
 
 
 
 
 
 

 

 VARIEDADES 

Você sabia...?

http://netobio.files.wordpress.com/2007/04/curiosidades.jpg... que a cauda de animais domésticos indica felicidade? Isso nos sonhos. Se sonhar com cauda de animais selvagens, é sinal de lucros. Se a cauda for de peixes indica especulações bem sucedidas. Se a cauda for de cabrito, significa alegrias. Se for de carneiro, significa trabalho.

... que o manejo sanitário adequado melhora a saúde dos animais? Melhora também a fertilidade, a produção, o ganho de peso e a produção de leite.

... que a Bíblia diz que o leite indica fartura e felicidade? Diz Provérbios 27:27:

“E haverá bastante leite de cabra para o teu sustento, para o sustento da tua casa e das tuas criadas”.

------------------

Frase

- Tem raça de cachorro para tudo: o que trabalha e o que dá trabalho. Geralmente só dá trabalho. (Frase de Expositora)

- O rei justo sustém a terra, mas o amigo de impostos a transtorna. (Salomão)

- Para filosofia barata não adianta inseticida. (Simone Dias Marques)

- Onde há muitos a comandar, nasce a confusão. (Luigi Einaudi, 1874-1961)

------------------

Provérbio

- O avaro teme a pobreza, mas vive nela. (Provérbio árabe)

- Se teu inimigo é o mosquito, vê nele um elefante. (Provérbio árabe)

- Pela repetição até o asno aprende.

------------------

Ditado

- Quando o esforçado só trabalha, o folgado leva a fama.

- É mais fácil chegar-se um touro a um mourão do que um estúpido à razão.

- Aonde vai o ferro vai a ferrugem.

- O risco que corre o pau, corre o machado.

- Quem em novo não trabalha, em velho dorme na palha.

- Cabrita ruim não precisa de chocalho.

------------------

Ditado Esquisito

- Antes dava um boi para não entrar numa briga, hoje brigo por um bife.

- Suba na vida, mas não faça ninguém de escada.

- Se a botina é boa, não precisa de turbina.

- Por favor, não respire, pois estou fumando.

- Salário de pobre é troco de rico.

 

 Pesquisa utiliza veneno de jararaca contra hipertensão em gestantes

 

Foto: Arqueos

Em grávidas, perigo é o desenvolvimento de eclampsia.A jararaca é uma das cobras mais perigosas do mundo. Uma picada pode ser fatal, mas esse poderoso veneno já é usado como aliado no combate de uma doença que atinge 3 em cada 10 brasileiros: a hipertensão arterial.

Pesquisadores descobriram agora que uma molécula extraída da serpente tem uma ação diferenciada e pode servir de base para a produção de um remédio específico para pressão alta em mulheres grávidas.

Nas grávidas, a hipertensão pode levar a complicações durante a gestação e no parto. Entre as complicações estão a eclampsia e a pré-eclampsia, principais causas de doenças e mortes de mães e recém-nascidos. “Não existe pervenção, não existem grandes sinais clínicos. Por isso que é essencial o acompanhamento pré-natal”, diz o médico obstetra Nilson Abrão Szylit.

A pressão da advogada Stela Maris disparou no sétimo mês de gestação e o parto de Pedro teve que ser antecipado. “Eu tinha picos de pressão alta. Tinha horários em que eu media e estava 12 por 8, normal, e no final do dia estava 16 por 12″, conta Stela. “Ele poderia morrer.”

A molécula extraída do veneno da jararaca para controlar a hipertensão na gravidez já está sendo testada em laboratório. Os pesquisadores fizeram os testes em ratos sadios e em células da placenta e do cordão umbilical para saber se a substância poderia ser usada sem afetar o feto.

“Apesar de ser necessário testar nas mulheres, todos os parâmetros que estão sendo analisados in vitro têm sido muito promissores”, diz a coordenadora da pesquisa, Claudiana Lameu.

“A jararaca é injustiçada porque o estudo do seu veneno tem trazido muitos benefícios para a ciência, muitos trabalhos estão sendo realizados na busca de novos medicamentos que poderiam ser muito úteis para as pessoas”, diz a pesquisadora.

 
 OVINOCULTURA: Por que criar Dorper?

O dorper é extremamente bem sucedido e próspero na África do Sul

 

- Foi desenvolvido na África do Sul há mais de 60 anos 
- A popularidade de raça continua aumentando 
- Tem como raças fundadoras: Dorset Horn e Blackhead Persa (raça de rabo-largo, bem adaptada às condições áridas) 
- O rebanho de Dorper e seus mestiços já somam um terço das 30 milhões de ovelhas na África do Sul. 
- Dorper é a segunda raça mais popular na África do Sul.


Boa Aparência

- É um ovino muito bem proporcionado, evidenciando lucratividade. 
- Excelente conformação para carne. 
- Apresenta cabeça preta e corpo branco (Dorper) ou é completamente branco (Dorper Branco). 
- Traseiro com possante musculatura. 
- Tamanho agradável: as ovelhas adultas pesam cerca de 94,0 kg.


Soberbas carcaças de Cordeiro

- Os cordeiros Dorper normalmente vencem as competições de carcaça na África do Sul. 
- Na África do Sul, 90% dos cordeiros Dorper recebem pontuação "Super", equivalente ao "Choice Grade" dos Estados Unidos. 
- Os cordeiros da África do Sul pesam entre 36-45 kg, ou mais, aos 100 dias de idade. SOMENTE EM REGIME DE PASTO. 
- Traseiros bem musculados e pesados. 
- Carne magra.


Tosquia desnecessária

- As mechas, que são uma mistura de lã e de pêlos, caem todos os anos. 
- As mechas lanosas duram um pequeno tempo. 
- Mais carne, menos lã! 
- O couro do Dorper atinge altos preços na África do Sul.


Extremamente Robusto e Adaptável

- O Dorper é um pastador não-seletivo. 
- Tem grande tolerância aos parasitas internos e externos. 
- É longevo. 
- Os animais são fáceis de serem manejados e guardados. Assim, os custos de manutenção são baixos. 
- O Dorper prospera em condições marginais. 
- Os cordeiros são muito vigorosos logo ao nascer. Assim, a taxa de mortalidade de cordeiros é baixa. 
- A raça sai-se bem em climas variados: árido, úmido, quente e frio. 
- Notável desempenho sob manejo extensivo ou intensivo.


Muito fértil e precoce

- Os carneiros podem acasalar já aos 100 dias de vida. 
- Os machos podem acasalar o ano inteiro. 
- Pode-se conseguir facilmente 3 cordeiros a cada 2 anos.
- Resultado de 150-180% de crias na África do Sul (2,25 - 2,7 crias/ano).


Mães maravilhosas

- Alta produção de leite e boa conformação do úbere. 
- Fácil parição. Os cordeiros são bem proporcionados com pequena cabeça ao nascimento. A musculatura começa a se desenvolver entre 2-3 semanas de idade) 
- Dóceis.

 
 
  • ANGLO NUBIANO DO AZULÃO -  DRAGÃO DO AZULÃO
  •  
     

     

    DRAGÃO é um animal de conformação impressionante. Alia padrão racial com características produtivas interessantes. Seu porte realmente impressiona. São 134kg muito bem distribuídos em forte esqueleto e articulações, ótimas pernas e aprumos. Tem um pescoço lançado e imponentemente implantado nas paletas, formando um conjunto de peito e paletas muito musculoso e aberto. É extremamente comprido, mas mantém uma linha de dorso impecável, finalizando em uma garupa de boa angulação e muito musculosa, além de pernil avantajado
  • Por todos esses atributos, DRAGÃO se destacou em diversas pistas no Nordeste: Campeão Cabrito Menor em Afogados da Ingazeira, Sertânia, Floresta e Arcoverde em 2008; Reservado Grande Campeão Serra Talhada 2008; Grande Campeão Sertânia 2009; e Grande Campeão na Nacional em 2009, refl etindo o belo trabalho de seleção realizado por seu criador e proprietário AZULÃO, numa história de mais de 35 anos de melhoramento genético da raça;

    Apesar de jovem, DRAGÃO já demonstra todo seu potencial como grande padreador. Sua progênie em destaque:

    - MAYA DO AZULÃO é destaque onde apresenta-se, foi Grande Campeã Cabrita Menor em Afogados da Ingazeira, Sertânia, Floresta, Arco Verde e Campeã Nacional 2009 cabrita maior, alem de ser o maior preço do leilão Nacional da raça;

    - CLAUDIA DO AZULÃO foi o melhor Úbere Jovem na Nacional 2009, que apresentou inclusive uma precocidade incrível, parida aos 11 meses e que úbere, que produção!;

    - HOLANDA DO AZULÃO, Campeã Cabrita Menor na Festa da Boi 2009;

    - MADALENA DO AZULÃO, Reservada Campeã Cabrita Menor na Festa da Boi 2009;

    - COLOMBIA DO AZULÃO foi Campeã Cabrita Jovem e Campeã Úbere Jovem em Sertânia e Floresta/PE em 2010;

    - VULCÃO DO AZULÃO foi Campeão Cabrito Menor e compôs o conjunto Progênie de pai Campeã também em Sertânia e Floresta-PE - 2010;

    - FURACÃO DO AZULÃO; Campeão Cabrito Menor nas Exposições de Ibimirim, Floresta, Petrolândia e Sertânia, todas em 2010;

    - VIVIANE DO AZULÃO; Campeã Cabrita Menor em Ibimirim, Floresta, Petrolândia e Sertânia em 2010;

    - ELIA DO AZULÃO; Res.Campeã Cabrita Menor nas cidades de Ibimirim, Floresta, Petrolândia e Sertânia em 2010;
  • DRAGÃO é uma boa opção para quem busca melhoria na arquitetura de úbere na raça anglo, conforme demonstra a foto de COLOMBIA DO AZULÃO.
  •  A Top in Life é especializada na comercialização de sêmen resfriado e criopreservado de ovinos e caprinos de elevada qualidade genética. Possuímos uma rede de representantes de vendas distribuída pelo Brasil e América Latina. Todo o material comercializado é coletado e processado em sua Central, onde seguem um rígido controle de qualidade que garante o alto padrão de produtos.
  •  Situada no município de Jaboticabal, próxima à cidade de Ribeirão Preto, no interior do Estado de São Paulo, a Top in Life Biotecnologia & Genética Anima é uma das maiores empresas da America Latina especializada.
  •  
    «InícioAnterior12345678910PróximoFim»

    Página 2 de 219
     
    Banner

    Vaquejada em Sertânia

    Banner

    Banner

        Viva plenamente!!!
    Banner
    Banner
    Banner
    Banner
    Banner
    Banner
    Banner
    Banner
    Banner
    Banner