Sertânia-PE-Sob a Proteção
de Nossa Srª. da
Imaculada da Conceição

Ricardo Fotografias

Para reflexão

Perfil

 

Engenharia Elétrica

Visitas

2033994
HojeHoje128
OntemOntem498
Esta SemanaEsta Semana128
Este MêsEste Mês7031
TodasTodas2033994

Luiz da Silva Dodô

Banner

Raimundo Sá Laet (Mundico)

Banner

Marcos Cordeiro

Banner

Waldemar Cordeiro

Banner

 

comício

Veja ! Manejo Animal em Suplementos, Manejo e Plantio de Acerola, Criação de Aves é Lucrativa, Criação de Codornas, Defencivos Naturais, Tecnologia no Campo, Manejo Sanitario... PDF Imprimir E-mail
Avaliação do Usuário: / 0
PiorMelhor 
Escrito por Lívio Chaves   
Dom, 02 de Agosto de 2015 19:58

Creep-feeding ( ou cocho privado)

 




"Creep-feeding" é uma forma de suplementação com ração balanceada no cocho, dentro de um cercado, com acesso somente ao bezerro. É um sistema prático que visa à suplementação da cria sem separá-la de sua mãe.
Embora haja indícios de uma melhora da eficiência reprodutiva da vaca, o "creep-feeding" visa especialmente ao bezerro. Tem como objetivo o aumento do peso à desmama, bem como acostumá-lo à suplementação no cocho.
Essa prática deve trazer vantagens econômicas, quando os animais são submetidos a sistemas mais intensivos de criação, como, por exemplo, o confinamento logo após a desmama para engorda e abate com pouco mais de 12 meses. Entretanto, quando esta suplementação é feita em bezerros que serão recriados e engordados a pasto, os resultados não são favoráveis, sob o ponto de vista econômico. À medida que o período da recria se prolonga, o efeito da suplementação se dilui.
Um outro aspecto a ser considerado é o da eficiência do "creep-feeding" em função da época da estação de monta. Como era de se esperar, tal sistema apresenta melhores resultados com a monta de outono, quando os bezerros serão suplementados justamente durante a estação seca. Com relação à monta de primavera/verão (usual), essa prática pode não ser vantajosa economicamente, pois as pastagens apresentam boa qualidade e quantidade à época da suplementação.
O sistema de "creep-feeding" exige a instalação de um cercado resistente, com seis fios de arame liso e distância entre os postes de, no máximo, quatro metros. Seu tamanho depende do número de bezerros a serem suplementados. A localização do cercado deve ser junto às áreas de descanso das vacas (malhadouro), às aguadas, ou nas proximidades do cocho de sal.
Sugestões de dimensões para o cercado e o cocho:
área do cercado: ± 1,5 m2/cria (deixando espaço de, no mínimo,
2 m entre o cocho e a cerca para circulação).
acesso de entrada exclusivo ao bezerro: 0,40 m de largura x 1,20m de altura (com esteios fincados bem firmes).
número de entradas: 4 para 50 bezerros 8 para 200 bezerros
cocho com comprimento de 0,10 m/cria, e largura possibilitando a alimentação de dois animais (um de cada lado), simultaneamente.


É bom lembrar, entretanto, que o êxito de qualquer suplementação depende dos bezerros consumirem, de fato, a ração oferecida. Para tanto, algumas práticas de manejo podem ser observadas, inicialmente, quando se usa o sistema de cocho privativo:
  1.  
    1. reunir às crias um bezerro mais erado, já iniciado no sistema, servindo como chamariz por alguns dias;
    2. espalhar um pouco de ração do lado de fora do cercado, junto aos locais de passagem dos bezerros, de maneira que as vacas possam "ensinar" suas crias a comer. Depois colocar próximo ao cocho, dentro do cercado; e
    3. permitir o acesso ao cocho, tanto das vacas quanto dos bezerros, durante alguns dias.   
Admitindo-se que muitos criadores não contam com uniformidade dos bezerros, recomenda-se, ainda, separar bezerros e suas mães em dois ou três lotes de idades mais próximas. Destarte, assegura-se na ingestão satisfatória de forragem para todos os animais. O mais prático, entretanto, é o uso de uma estação de monta mais curta (2-3 meses), quando possível.
 

ACEROLA PLANTIO E MANEJO

 



Nome Técnico:Malpighia glabra
Sin.: Malpighia biflora Poir., Malpighia jallax Salisb, entre outros.

Nomes Populares :Aceroleira, cereja-das-antilhas
Família : Família Malpighiaceae
Origem: Originário da América Central.

Descrição:
Árvore pequena ou arbusto de até 3,0 m de altura,forma arredondada, muito ramificada de folhas verdes ovais e flores rosadas de 1 a 2 cm de diâmetro, completas reunidas em grupos de 3 a 5 flores.
Estas flores surgem em geral depois de um período de crescimento da planta.
São autofecundáveis mas também ocorre a polinização cruzada, isto é, com pólen de outra flor sendo as abelhas responsáveis pela polinização.

O fruto que segue é uma baga vermelha de até 2,5 cm com 2 a 3 sementes duras, de polpa acidulada.
É um dos frutos com maior teor de Vitamina C.


Modo de Cultivo :
A aceroleira necessita de local ensolarado e clima tropical mas em regiões de clima mais ameno também pode ser cultivada.
O regime de chuvas precisa ser entre 1200 a 1600 mm anuais, bem distribuídas.
Caso a irrigação com a água da chuva não seja suficiente, a aspersão com mangueiras ou gotejamento poderá suprir sua falta nos períodos de seca.

 
Plantio e Adubação :
Adquira muda de tamanho padrão, em torno de 1,0 m de altura e plante com tutor, amarrando com cordão de algodão para não danificar a casca.
A pós notar que a muda está se desenvolvendo,cortar os pequenos ramos até 70 cm a partir do solo para fazer uma boa copa.
Na cova de plantio não esquecer a areia no fundo, o adubo animal, farinha de ossos e o adubo químico granulado como foi ensinado no texto de plantio de frutíferas.

Pragas :
As pragas mais comuns da cultura são pulgões, cochonilhas e nematóides.
Para os dois primeiros, usar óleo de nim ou aqueles chás de plantas tóxicas, como os de folhas de alamanda.
Para nematóides é um pouco mais difícil, as mudas devem ser certificadas de produção em solos não infestados por esta praga.
Plantar tajetes (tajete patula
) ajuda no controle
 
 
Criação de Aves - Atividade Lucrativa
 

galinha caipira 250x202 Frango e Galinha Caipira: incubação, alimentação e manejo
A avicultura representa, atualmente, uma das maiores atividades agropecuárias por ser uma das que propiciam maiores lucros. Além disso, o maior custo da carne bovina sempre foi um fator importante para aumentar a atratividade da carne de aves, principalmente da carne de frango. A carne de frango é sempre o substituto imediato da carne bovina, devido ao seu custo menor, mas, também, por apresentar algumas características que tornam seu consumo mais indicado como, por exemplo, ser uma carne mais saudável e que engorda menos.

A carne das aves é uma das que apresenta maiores e melhores vantagens para a alimentação humana. É produzida em escala industrial, em todo o mundo, inclusive no Brasil, que possui uma das maiores produções do planeta e, ainda, apresenta um potencial para expandir essa produção, várias vezes. A produção brasileira é destinada tanto ao consumo interno quanto às exportações, principalmente para os países da comunidade européia. A produção de frangos de corte é a maior atividade da avicultura brasileira.

Reunir algumas fêmeas e machos e soltá-los nos quintais ou terreiros, deixando-os se reproduzirem, como ocorre em geral nos sítios, e fazendas, não é realmente praticar a avicultura. Para isso, é necessário que sejam reunidos machos e fêmeas selecionados, para que haja maior produtividade e para a obtenção de aves de elevado padrão, que produzam bons lucros. Além disso, a avicultura, por definição, é a criação racional de aves, ou seja, uma série de técnicas e procedimentos devem estar associados à criação para que esta seja, de fato, racional e com alta produtividade.

Idade para a reprodução

Quando as aves entram em reprodução muito cedo, podem ter prejudicados o seu desenvolvimento e a sua produção. No entanto, quanto mais tarde é iniciada a reprodução, maiores são os gastos do avicultor, com a sua manutenção, o que diminui os seus lucros. Por esse motivo damos, a seguir, as idades mais indicadas para cada ave iniciar a reprodução.

Galinha: 5 a 7 meses
Peru-macho: 2 a 3 anos
Peru-fêmea: 1
Faisão-macho: 2 a 6 anos
Faisão-fêmea: 1 ano
Marreco: 6 meses em diante
Patos: 7 meses em diante
Ganso: 2 anos em diante
Cisne: 2 anos em diante

 
Número de fêmeas para cada macho

O número de machos é muito importante em um plantel pois, se houver machos demais, as despesas aumentam, sem necessidade, e os lucros diminuem. Além disso, as fêmeas são muito incomodadas, o que as prejudica.

Quando o número de machos é menor do que o necessário, a quantidade de ovos claros ou inférteis é grande, trazendo sérios prejuízos ao avicultor pela baixa porcentagem de eclosão.

Nos lotes para a produção de ovos para consumo, não há necessidade de machos, pois as aves põem ovos, embora estéreis, mesmo sem serem acasaladas, o que é até melhor, pois eles se conservam melhor.

Damos a seguir uma tabela sobre o número de fêmeas para cada macho, nas diversas espécies de aves domésticas:

Galo ? raças leves: 10 a 12 fêmeas
Galo ? raças pesadas: 8 a 10 fêmeas
Peru: 8 a 15 fêmeas
Faisão: 6 a 8 fêmeas
Marreco: 6 a 8 fêmeas
Pato: 6 fêmeas
Ganso: 4 fêmeas
Cisne: 1 fêmea

 
Período de aproveitamento dos reprodutores

As aves podem procriar por um período, as vezes longo. É aconselhável, no entanto, que só sejam aproveitados as seus produtos até que elas atinjam certa idade. Além disso, depois de certo tempo sua produção baixa muito, tornando-se antieconômico. Por esse motivo, as aves devem ser mantidas, em reprodução, somente até as idades apresentadas, a seguir:

Galinha: 1, 2 ou 3 posturas, no máximo, dependendo da raça
Peru: 4 anos
Faisão: vários anos
Marreco: 1 postura (da raça Pequim)
Pato: vários anos
Ganso: vários anos
Cisne: vários anos

Quando indicamos "vários anos", significa que as aves devem ser mantidas em reprodução enquanto seus filhos nascerem fortes e sadios.

Número de ovos por ano

O ovo tem grande importância na avicultura, não só por ser fonte de lucros para o avicultor mas, e principalmente, por ser através dele que as aves se reproduzem.

Cada espécie, e mesmo raça, produz uma quantidade deferente de ovos, como verificamos nos dados, a seguir:

Galinha crioula: 80
Galinha de raça: 120 a 365
Perua: 30 a 60
Faisão: 10 a 40
Marreca (Pekim): 120
Pata: 60 a 100
Gansa: 30 a 60
Cisne: 5 a 8

 
Período de incubação

Para que os filhotes nasçam, é necessário que os ovos sejam incubados durante um certo número de dias, que varia de acordo com a ave. Além disso, é preciso um certo grau de temperatura e uma determinada umidade.

Os dados a seguir, são referentes ao período de incubação dos ovos de cada espécie de ave:

Galinha: 21 dias
Perus: 28 dias
Faisão: 24 a 29 dias, variando de acordo com a espécie
Marreca: 28 a 30 dias
Pata: 30 dias
Gansa: 28 a 31 dias
Cisne: 28 a 30 dias

A avicultura é uma das mais lucrativas atividades criatórias, desde que baseada em:

- bons reprodutores;

- boas instalações;

- boa alimentação e

- bom manejo.
 
Recria e engorda das codornas
 
Recria

A recria é o período de crescimento das codornas, desde que dispensam o calor artificial até serem selecionadas para a reprodução ou abate (engorda).

Engorda

A engorda é o período, após a seleção, no qual as codornas são separadas em lotes para a produção de carne e durante o qual, em geral, podem receber uma alimentação especial para engorda, devendo ser levado em consideração que elas são abatidas entre os 30 e 45 a 50 dias de idade.

A recria e a engorda das codornas podem ser feitas no solo, sobre uma cama de material absorvente como a marvalha fina, capim seco e picado, sabugo de milho triturado, etc., ou em baterias. Temos, ainda, um terceiro método, o misto, que consiste em manter as codorninhas até 15 dias sobre a cama e depois colocá-las em baterias.

A engorda no chão tem, entre outros, os inconvenientes de as codornas consumirem mais 3 a 5% de ração para obterem o mesmo peso que obteriam nas baterias e, ainda, estão mais sujeitas a doenças, principalmente à coccidiose. É, por essa razão, pouco empregado na criação comercial ou industrial dessas aves.

A recria e engorda, em baterias, tem uma série de vantagens sobre o método anterior sendo, por esse motivo, o mais usado nas criações comerciais e industriais. As baterias podem ser de folhas metálicas, madeira ou arame galvanizado mas, sempre, com o piso de tela de arame, de preferência, com malhas retangulares e de 10mm, para facilitar a passagem dos excrementos. Existem, no comércio, vários tipos, tamanhos e modelos de baterias, de acordo com a marca ou fábrica que as produzem.

Cada gaiola deve medir 13 a 15cm de altura, por 20cm de comprimento e 15cm de largura. O espaço entre o piso da gaiola e a bandeja deve ser de 5cm. Para fêmeas, o piso deve ser inclinado e ter mais 8cm na sua parte da frente, para ai serem colhidos os ovos.

Essas baterias ou gaiolas são equipadas com comedouros retangulares, medindo 10 a 12cm de largura e uma profundidade de 5 a 8cm. O seu lado que fica encostado à parede da gaiola deve ter a beirada virada para dentro, para evitar a queda e o desperdício de ração, pois as codornas têm o hábito de ciscar a ração para catar os grãos maiores ou os alimentos de que mais gostam, o que faz com que entornem muita ração, quando a beirada do comedouro não é virada. Pelos mesmos motivos, a parte de fora do comedouro deve ser mais alta e virada para fora, para reter melhor a ração.

As grades das gaiolas só devem permitir a passagem da cabeça e do pescoço das codornas, para que possam alcançar a comida.

Quanto à iluminação ou claridade, deve atingir mais os comedouros com a ração, pois uma luminosidade mais intensa, sobre as codornas, faz com que fiquem excitadas, briguem mais, dispendam mais energia e gastem, consequentemente, maior quantidade de ração para o mesmo ganho de peso que teriam sob uma luz menos intensa.

Período de engorda e época de abate

Normalmente, as codornas são abatidas dos 30 aos 45 dias de idade, embora alguns criadores as abatam com 50 a 55 dias. Não cremos ser vantajosa essa prática porque, quanto mais velha a ave, depois de certa idade, maior será seu índice de conversão, o que significa um gasto maior de ração, para obter o mesmo peso vivo. Existe uma tendência entre os criadores para abater as codornas com 28 a 30 dias de idade, ou seja, quatro semanas.

O rendimento líquido das carcaças é de 75 a 78%, tanto de fêmeas quanto de machos, embora as fêmeas da mesma idade tenham, em média, um peso vivo superior ao dos machos. Com cinco semanas de idade, as codornas atingem, em média, 100 a 120g e até 170 a 180g quando alcançam 45 dias.
 
 

DEFENSIVO NATURAL

 


Calda Viçosa

É uma calda para controle de doenças de plantas que age também como adubo foliar. A base é a calda bordalesa, acrescida de sais de cobre, zinco, magnésio e boro. Para uso na agricultura orgânica a calda é preparada sem adição de uréia, presente na composição original.

Para o preparo de 10 litros, deve-se usar:
  • 50 g de sulfato de cobre
  • 10 a 20 gramas de sulfato de zinco
  • 80 gramas de sulfato de magnésio
  • 10 a 20 gramas de ácido bórico
  • 50 a 75 gramas de cal hidratada

A preparação deve ser seguida dos seguintes cuidados:

Misturar a cal na metade do volume de água. Na outra porção de água, dissolver os sais minerais. Ir misturando aos poucos a solução de sais, jogando-a sobre a água de cal sob agitação constante. A cal é a mesma que se utiliza para pintura de paredes e os sais minerais não podem estar úmidos.

A calda tem um pH final entre 7,5 e 8,5 (usar papel tornassol ou peagâmetro para verificar o pH da mistura) e apresenta uma cor azul. Os vasilhames devem ser de plástico pois os metais são atacados pelos sais. As sobras não devem ser guardadas, desse modo, deve-se calcular com cuidado a quantidade a ser utilizada. Coar antes da pulverização.

Café: Aplicar na pré-florada quando necessário. Aplicar a cada 30 dias a partir do início das chuvas (out/nov), indo até abril. Dosagens menores p/cafezais novos e quando sadios.

Citrus: Aplicar na pré-florada quando necessário. No final da queda das flores, repetindo a cada 30 dias, no total de 3 a 5 pulverizações

Feijão: Intervalos de 10 a 14 dias. Dosagens maiores nos períodos desfavoráveis

Morango: Aplicar a cada 7 a 15 dias até a fase de floração. Utilizar dosagens maiores para intervalos maiores e períodos desfavoráveis

Maracujá: Aplicar a cada 7 a 15 dias na fase de crescimento dos frutos. Dosagens maiores para intervalos maiores

Manga: Aplicar em intervalos de 10 a 14 dias dependendo das condições

Videira: Aplicar na fase de brotação c/15 cm. c/menores dosagens, intervalos de 7 a 14 dias. Aumentar a dose na fase de frutificação

Beterraba e Cenoura: Aplicações a cada 7 a 15 dias dependendo da necessidade. Dosagens menores em intervalos mais curtos

Batata: Aplicar na muda c/15 cm.c/menores dosagens. Intervalos de 7 a 10 dias. Aumentar dosagem 15 a 20 dias após a primeira pulverização

Pimentão e Tomate: Após 15 dias após o transplante em local definitivo, c/intervalos de 7 a 14 dias. Dosagens menores nos intervalos mais curtos

Alho e Cebola: Aplicar 20 dias após a germinação. Intervalos de 7 a 10 dias

Berinjela e Jiló: Aplicar após o pegamento em local definitivo, cada 7 a 12 dias. 
Dosagens menores nos intervalos mais curtos


Goiaba: Aplicar até os frutos atingirem 3 cm. Intervalos de 7 a 14 dias. Usar dosagens baixas, aumentando em pós-colheita

Plantas Ornamentais: Aplicar em Intervalos de 7 a 14 dias, conforme necessidade. Dosagens maiores nos períodos desfavoráveis

 

ESTUDO AFIRMA A BAIXA UTILIZAçÂO DE TECNOLOGIA NO CAMPO

 

 
Mais da metade dos estabelecimentos agropecuários do país utiliza baixo conteúdo tecnológico em sua produção, informa estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Quase 22% dos entrevistados responderam que usam só sete de 22 métodos de auxílio à produção.

Esses métodos incluem utilização de fertilizantes, corretivos de solo, defensivos, tratores, orientação técnica, financiamento, cooperativismo, controle de pragas, unidades armazenadoras, entre outros exemplos.

Do total de 5,2 milhões de estabelecimentos rurais no país, listados no último Censo Agropecuário do IBGE, apenas 983 mil usavam alta tecnologia, ou seja, mais de nove dos 22 métodos de produção. O estudo, que fez 22 perguntas a produtores e pecuaristas, dividiu as unidades de produção em 4,3 milhões da AGRICULTURA FAMILIAR e 809 mil da empresarial.

Do total familiar, 19% usam alta tecnologia. Na agricultura empresarial, 18% dos estabelecimentos usam mais de nove métodos, o que os classifica como usuários de alta tecnologia.

Além do pouco uso da tecnologia, a pesquisa do Ipea incorporou critérios econômicos para identificar o valor que cada unidade monetária de custo gera de renda bruta. Do total dos 5,2 milhões estabelecimentos rurais, 40% apresentaram renda bruta superior aos custos totais e a maioria, 60%, foi classificada como deficitária em 2006, ano da realização do Censo do IBGE.

O técnico da Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, de Inovação, Regulação e Infraestrutura do Ipea, Gesmar Rosa, afirma ser necessário fazer uma análise temporal sobre os dados. "Esses números não querem dizer, obrigatoriamente, que 60% são deficitários sempre. Temos que ter em mente que em determinado ano pode ter havido alguma flutuação de preços ou choques exógenos, como mudanças climáticas, quebra de safra, surgimento de novas pragar, dentre outros", diz.

O Ipea também mediu o nível de concentração da produção no setor agropecuário brasileiro. Menos de 10% dos estabelecimentos agropecuários eram responsáveis, segundo a pesquisa, por 86% do valor bruto da produção. "A maior concentração de estabelecimentos está na faixa de zero a dois salários mínimos mensais. São 3,1 milhões dos 5,2 milhões de estabelecimentos no país. Mas essa alta concentração não se reflete em uma produção maior. Apenas 3,4% da renda bruta total fica por conta deles", afirma Gesmar Rosa.

O trabalho do Ipea identificou que a agricultura empresarial, responsável por 76% da área cultivada no país, gera somente 66% da renda bruta total do setor agrícola. "Esse dado é interessante pois mesmo com mais terra, a agricultura comercial não consegue produzir o equivalente em renda", avalia o técnico do Ipea.
 
 
 MANEJO SANITÁRIO
 
 Verminose


A verminose é uma doença causada por helmintos ou vermes que vivem, principalmente, no abomaso (coalho) e intestinos dos animais, podendo atacar todo o rebanho. Quando acometidos pelos vermes, os caprinos se tornam fracos, magros, com pêlos arrepiados, apresentando diarréia, edema submandibular (papada) e anemia.
A verminose é a doença que mais mata caprinos, sobretudo, os animais mais jovens. Os seus principais prejuízos são:

Diminuição dos índices de parição.
Diminuição do crescimento dos animais.
Diminuição da produção de leite.
Aumento do número de mortes no rebanho.

Recomenda-se vermifugar periodicamente todos os caprinos da propriedade, a fim de evitar que animais não medicados venham a contaminar os pastos com os ovos dos vermes presentes nas suas fezes.  Na época seca há poucas condições de sobrevivência das larvas dos vermes nas pastagens. A vermifugação, nesse período, reduz a infecção no animal e evita que o mesmo fique com uma carga muito grande de vermes na época das chuvas.


Verificar na embalagem do produto, a quantidade de dias que o produtor deve esperar para utilizar o leite e a carne dos animais vermifugados (carência), se o produto é indicado para o rebanho caprino e qual a quantidade que deve ser aplicada em cada animal. É importante observar, no momento da compra do vermífugo, a validade ao produto.


A dose do vermífugo depende do peso de cada animal. Se o criador estimar o peso do animal de modo empírico (no olho), ele deve ter o cuidado de calcular a dose do produto para um peso superior ao estimado, já que uma dose abaixo das necessidades do animal, além de não controlar os vermes, causa também a resistência destes ao produto.


Linfadenite caseosa ou mal-do-caroço

É uma doença contagiosa, causada por uma bactéria que se localiza nos linfonodos ou landras, produzindo abscessos ou caroços. Os caroços podem aparecer em vários locais e sua presença causa desvalorização da pele e também da carne.
É importante evitar que os abscessos se rompam naturalmente. Portanto, quando o caroço estiver mole, ou maduro, o criador deve fazer o seguinte:

Cortar os pêlos e desinfectar a pele, no local do caroço, com solução de iodo a 10%.
Abrir o abscesso para a retirada do pus.
Aplicar a tintura de iodo a 10% dentro do caroço.
Aplicar o mata-bicheiras para evitar varejeiras.
Queimar o pus retirado e limpar os instrumentos utilizados.
Isolar os animais doentes.

Além do corte do caroço, deve-se examinar os animais no momento da compra, tendo o cuidado para não adquirir aqueles que apresentem tal problema. Quando animais do rebanho apresentarem caroço por duas ou três vezes seguidas, devem ser descartados.


Ectima contagioso ou boqueira


É uma doença contagiosa causada por vírus, que ocorre com mais freqüência nos animais jovens podendo, entretanto, atingir também os adultos.


Inicialmente, aparecem pequenos pontos avermelhados nos lábios. Posteriormente, há formação de pústulas que se rompem, secam e se transformam em crostas, semelhantes a verrugas.
Além dos lábios, pode haver formação de pústulas na gengiva, narinas, úbere e em outras partes do corpo.


Os lábios ficam engrossados, sensíveis e os cabritos têm dificuldade de se alimentar, vindo a emagrecer rapidamente.
Para evitar que os animais atingidos por essa doença venham a contaminar o rebanho, os

seguintes cuidados devem ser tomados:

Isolamento dos animais doentes.
Retirada das crostas com cuidado.
Uso de glicerina iodada:
Iodo a 10% - 1 parte
Glicerina - 1 parte
Uso de pomadas cicatrizantes.

Pododermatite ou frieira


É uma doença contagiosa, causada por bactérias. Provoca uma inflamação na parte inferior do casco e entre as unhas. Ocorre com maior freqüência no período chuvoso, quando os animais são mantidos em áreas encharcadas.
O sinal mais evidente da doença é a manqueira. Os animais têm dificuldade para andar, permanecem quase sempre deitados, se alimentam mal e emagrecem, podendo vir a morrer.

Para o tratamento da frieira, são recomendados os seguintes procedimentos:

Separação dos animais doentes do restante do rebanho.
Realização da limpeza dos cascos afetados.
Tratamento das lesões com alguns desinfetantes.
Solução de tintura de iodo a 10%.
Solução de sulfato de cobre a 15%.
Solução de ácido pícrico (cascofen).

Nos casos graves, recomenda-se a aplicação de antibióticos. Entretanto, existem meios para prevenir a ocorrência de frieiras, tais como:

Manutenção das criações em lugares secos e limpos.
Aparação periódica dos cascos deformados.

Construção de pedilúvio na entrada dos chiqueiros, devendo abastecê-lo uma vez por semana, com desinfetantes específicos. O pedilúvio deve ser construído e localizado de modo a forçar os animais a pisarem nesses materiais quando de sua entrada nos chiqueiros. O volume da solução a ser utilizado com qualquer dos produtos deve ser suficiente para cobrir os cascos dos animais.

O pedilúvio consiste em um tanque feito de tijolos e argamassa de cimento, que deve ser construído na entrada do curral, aprisco ou chiqueiro. Tem a finalidade de fazer a desinfecção dos pés dos animais.
Dimensões do pedilúvio:

2,0 m de comprimento.
0,10 m de profundidade.
Largura: correspondente à largura da porteira.

Proteção lateral com cerca de arame liso ou ripas de madeira de 1,20 a 1,40 m de altura.
Os seguintes desinfetantes podem ser utilizados no pedilúvio:

Solução de formol comercial a 10%.
Sulfato de cobre a 10%.
Cal virgem diluída em água a 40% (alternativo de criação de caprinos).

Pediculose (piolhos)

Os As criações de caprinos que não possuem as condições higiênicas satisfatórias, geralmente apresentam-se infestadas por piolhos. Existem dois tipos de piolhos: mastigador (Malófago) e sugador (Anoplura).

Os piolhos ocorrem durante todos os meses do ano, porém, com maior intensidade na época seca. A presença dos piolhos em um rebanho pode ser facilmente detectada pelo exame dos pêlos dos animais, preferencialmente, na linha dorso lombar e na garupa. No entanto, os piolhos podem se localizar em outras regiões do animal, causando coceira e irritação da pele, inquietação e emagrecimento, podendo levar os animais à morte.

Os piolhos podem ser controlados mediante pulverização ou banho dos animais com produtos a base de piretróides (produtos de baixa toxicidade). Também pode ser utilizada uma calda a base de Melão-de-São-Caetano. Essa calda deve ser bem forte, podendo ser obtida a partir de um quilo de folhas verdes de Melão-de-São-Caetano para cada 10 litros de água. As folhas devem ser maceradas ou trituradas e misturadas à água.

Após esse processo, a mistura deve ser filtrada (coada) com pano e utilizada para banhar os animais.Quando da aplicação de produto químico para controle dos piolhos, os seguintes cuidados devem ser tomados:

Aplicar o produto de preferência pela manhã.
Misturar o produto com água, de acordo com a recomendação do fabricante.
Repetir o tratamento após dez dias.

Para evitar a ocorrência de piolhos nos caprinos, devem ser realizadas inspeções periódicas do rebanho, para detectar a possível ocorrência do parasita. Além disso, deve-se evitar a entrada de animais com piolhos na propriedade.
 
 
Banner
Banner

Banner

    Viva plenamente!!!
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner